Tag Archives: Informações

Com a palavra, o Criador Pedro Lóes (Bullprime)

1 – PORQUE O BULLDOG E COMO TUDO COMEÇOU?

O Bulldog é um sonho desde criança, quando assistia o desenho do Tom e Gerry. Sempre quis aquele Bulldogão do desenho. Tudo começou quando fui pedir ao meu pai um Bulldog, mas na época, meu pai achava um absurdo pagar R$5.000,00 em um cachorro, foi quando comecei a trabalhar, e quando recebi meu primeiro salário, fui em busca de realizar meu sonho. Claro que ja vinha estudando a raça e procurando criadores onde eu iria encontrar o Bulldog dos meus sonhos. Foi onde comprei meu primeiro Bulldog, o CH. Red Bulldogs Dante Empire (Pai de vários campeões e dono de um pedigree invejável).

2 – QUAL A ROTINA DO CANIL?

Pela manhã todos os cães são soltos juntos para recreação enquanto o canil está sendo limpo, logo após a limpeza do canil, cada cão volta para sua casa para fazer a primeira refeição do dia, onde independente de filhote ou adulto, cada um come em torno de 200g de ração super premium, logo depois eles passam pelo banho de sol em suas próprias baias, até por volta de umas 16hs, onde eles vão fazer caminhadas curtas, porém diárias, em torno de 20 min. Enquanto cada cão faz sua caminhada, o canil recebe uma limpeza nas baias, depois disso os cães voltam para suas casas, onde recebem por volta das 18hs a segunda e ultima refeição do dia, em torno de 200g, totalizando 400g/dia. Logo depois eles dormem e roncam felizes e contentes.

3 – QUAIS AS RECOMENDAÇÕES PARA QUEM ESTÁ PENSANDO EM ADQUIRIR UM BULLDOG?

Não deixe de pesquisar sobre o criador e os pais do filhote em que está interessado. E se concientize que você estará comprando um cão diferente de todos os outros. O Bulldog tem suas diferenças que são as que o tornam tão especiais e queridos, mas os donos tem que estar preparados, porque o Bulldog é como se fosse um filho e não um cachorro.

4 – QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS DICAS PARA AQUELES QUE JÁ SÃO PROPRIETÁRIOS?

Tenham sempre paciência e proporcione muito carinho, ração de boa qualidade, sombra e água fresca para seu Bulldog, que ambos terão uma vida longa e saudável.

5 – E PARA AQUELES QUE PENSA EM COMEÇAR A CRIAR?

Que esteja preparado para grande emoções, porque não é uma tarefa fácil, mas é uma tarefa super recompensadora. Opte pela sinceridade com seus clientes e procure sempre fazer cruzamentos, e compras de exemplares bem selecionados, para sempre haver o melhoramento da raça, priorizando a saúde do animal.

6 – QUAL O PERFIL DO PROPRIETÁRIO IDEAL?

Os melhores proprietários são aqueles que quando chegam ao canil para visitar, te enchem de perguntas sobre a raça e te demonstra conhecimento a respeito da raça. É gratificante vender um Bulldog para uma pessoa que estuda a raça, que tem interesse em manter a qualidade do plantel nacional em crescimento. Porque essa pessoa você pode ter certeza que vai cuidar muito bem do filhote que está levando no colo, e pode ter certeza que será bem cuidado até sua velhice.

7 – QUAL A SUA OPINIÃO SOBRE O PLANTEL NACIONAL?

O plantel nacional está de alto nível, vem melhorando muito rápido. Primeiro, graças as importações de grandes criadores, segundo as cruzas estudadas que estão sendo feitas por alguns criadores. Hoje me dia todo juiz estrangeiro que vem julgar no Brasil fica impressionado com a qualidade do plantel Brasileiro, e na minha opinião não vai demorar muito para as crias brasileiras se destacarem mais ainda nas exposições e na Nacional Abrabull (maior evento da raça no Brasil).

8 – AINDA SOMOS UM PAÍS IMPORTADOR DE BULLDOGS? SIM / NÃO E PORQUÊ?

Na minha opinião sim. Hoje em dia a internet facilita muito o acesso dos criadores brasileiros com os criadores estrangeiros, hoje em dia qualquer um consegue importar um Bulldog, já apenas alguns criadores importam bons Bulldogs, porque o fato de ser importado não é garantia de qualidade. Acho que produzimos muitos cães bons, mas ainda não produzimos cães da qualidade que compramos na Inglaterra ou Espanha, onde considero os melhores Bulldogs do mundo.

9 – QUAL A SUA OPINIÃO SOBRE AS EXPOSIÇÕES NO BRASIL E A QUALIDADE DE NOSSOS ÁRBITROS?

Acho que a qualidade dos julgamentos no Brasil vem melhorando apesar da política que envolve alguns árbitros. Hoje em dia você encontra juízes interessados em crescer juntamente com a raça. Mas a maioria infelizmente não tem o trabalho de se atualizar, e digo isso não só da raça Bulldog, mas em várias outras raças também.

10 – QUAL A SUA MAIOR FELIDICADE COMO CRIADOR?

A melhor parte da criação é quando você vê sua ninhada que você cuidou desde a hora que nasceu até os 50 dias de vida, como se fosse seu filho, correndo cheio de saúde, te procurando para brincar. Te enchendo de carinho e retribuindo todo amor que você dedicou durante a batalha quando eram recém nascidos.

11 – QUAL A SUA OPINIÃO SOBRE AS ALTERAÇÕES NO PADRÃO DA RAÇA?

Acho que quando foram feitas essas mudanças, tudo foi pensado em priorizar a saúde do Bulldog, mas acho que no padrão antigo encontravamos cães saudáveis e sem sair do padrão, mas como a maioria não era e não é tão saudável, acho que será válida as mudancas.

12 – O QUE NÃO PODE FALTAR NUM BULLDOG?

Na minha opinião, se um Bulldog não tiver uma bela cabeça, bem desenhada, coma testa limpa, com uma ruga bonita em cima do focinho, e uma bela mandíbula, não me chama muito a atenção. Gosto da cabeça dos Bulldogs e de uma frente forte e pesada, mas sempre respeitando o equilíbrio do animal.

http://www.bullprime.com.br

Com a palavra, o Criador Paulo Tagliari (Stormbulls)

1 – PORQUE O BULLDOG E COMO TUDO COMEÇOU?

Começamos com Bulldog Americano quando lemos uma reportagem que eram cães extremamente difíceis de adestrar, como adoramos um desafio compramos nosso primeiro casal, Hunter que veio a ser o melhor BA do Brasil em 2004 falecido ano passado e a Sally, ainda conosco aqui no ES, adquirimos experiência na criação e em 2007 fomos convidados a mudar para o ES para uma sociedade na criação do Bulldog Inglês, Marcos nosso sócio sempre foi um amante de cães, criava a raça Sharpei e queria iniciar a criação de Bulldogs com qualidade, mas não tinha tempo para acompanhar o processo de forma integral, assim em março daquele ano mudávamos com nossos ABs para Jacaraípe na região metropolitana de Vitória – ES, iniciando assim nossos trabalhos com a raça, hoje somos cada vez mais apaixonados pela raça mantendo um plantel de 10 matrizes e 4 padreadores.

2 – QUAL A ROTINA DO CANIL?

Nossa rotina é de um canil de manejo intenso, pois trabalhamos com adestramento e alteração comportamental de cães e temos além dos cães de plantel, cerca de 15 cães em treinamento e mais alguns cães que usamos em Mondioring, um esporte originário da Europa. Toda manhã os Bulldogs são soltos todos juntos para recreação enquanto um funcionário faz a limpeza e desinfecção dos canis, na parte da tarde alguns dos cães do plantel saem para passeios, sempre respeitando horários e condicionamento físico de cada um, os cães ficam em baias em dupla ou trio, temos duplas inseparáveis, como Hummer e Josh (machos), Patola e Laredo (machos), Fama e Leona (fêmeas) vez por outra surge algum atrito mas ao simples comando de dentro de casa mesmo eles encerram a discussão, usamos frequentemente a matilha de Bulldogs para acertar um ou outro cão de cliente que tenha problema comportamental. Outro ponto que somos frequentemente questionados é sobre o calor, nossos cães vivem sem ar condicionado, sem ventilador e graças a Deus sem problema algum com o calor aqui do ES, apesar de o canil ser em um local bem ventilado é comum temperaturas que ultrapassem 35° e até mais de 40° no verão. Ia esquecendo, temos duas gatinhas que convivem com os Bulldogs sem problema algum comprovando a socialização de nossos cães.

3 – QUAIS AS RECOMENDAÇÕES PARA QUEM ESTÁ PENSANDO EM ADQUIRIR UM BULLDOG?

Estude, pesquise, pergunte, tire todas as dúvidas, se estiver longe peça pra ver o filhote pela Web Cam, todo mundo tem computador conectado ao MSN ou Skype ficando fácil pra ver o filhote ao vivo. Se não tiver experiência com educação e comunicação com cães contrate um adestrador capacitado para orientar nas fases de socialização e imprinting do filhote e principalmente cuidado com as promoções, sempre com um valor aquém do mercado vem um problema, ou vc acha que um Celular de R$ 50,00 tem a mesma qualidade que um de R$ 500,00?

4 – QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS DICAS PARA AQUELES QUE JÁ SÃO PROPRIETÁRIOS?

Cachorro não foi feito para tomar banho, quem dirá semanalmente, Bulldog é um cão que deve ser banhado no máximo a cada 15 dias, se vc acha que seu cão exala odor forte, pense em gastar um pouco mais em uma ração de qualidade, procure receitas ou produtos para banho a seco, o odor vai diminuir muito. Cuidado com produtos de limpeza, eles podem ser a causa da maioria dos problemas de pele de seu Bulldog. Na questão comportamental falo com experiência de quem trabalha com comportamento a quase 10 anos e só no ultimo ano orientamos ou alteramos comportamento de mais de 15 Bulldogs, eles não são nenhum bicho de 7 cabeças na questão de comportamento, são teimosos, mas são facilmente subornáveis kkk então use de inteligência e você vai fazer o que quer de seu BI.

5: E PARA AQUELES QUE PENSAM EM COMEÇAR A CRIAR?

Estude, pesquise, visite canis, peça pra acompanhar uma ninhada se possível, mantenha contato com criadores idôneos que criam com qualidade, procure um veterinário que tenha experiência com a raça, vai ajudar muito na manutenção do plantel, inicie com 2 matrizes, machos não são necessários ao inicio de um plantel, é mais fácil buscar padreamentos externos que ficar preso a um só padreador. Outra dica super importante, se pensa em ganhar dinheiro com a criação de Bulldog, está começando de forma errada, se conseguir manter um canil de criação sem precisar injetar dinheiro de outra fonte de renda já está conseguindo um ótimo resultado.

6 – QUAL O PERFIL DO PROPRIETÁRIO IDEAL?

Pessoas com situação financeira e emocional bem definida, que entendam que estão adquirindo um cão e não um Bebê, que entendam que cães devem ser tratados como cães, com regras, disciplina, ótima alimentação e carinho na medida certa, exatamente nessa ordem.

7 – QUAL A SUA OPINIÃO SOBRE O PLANTEL NACIONAL?

A cada dia o plantel nacional melhora de qualidade, é só acompanhar os sites dos criadores de ponta, todos estão investindo em cães de linhas renomadas, e já começam a colher os frutos com cães exportados para Europa e conquistando títulos em vários países de renome na criação mundial. 

8 – AINDA SOMOS UM PAÍS IMPORTADOR DE BULLDOGS? SIM / NÃO E PORQUÊ?

R: SIM e NÃO, SIM porque ainda se necessitam de importações pois há linhas sólidas de excelente qualidade que devemos trazer para o Brasil e NÃO porque é fato que estamos nos tornando um pais exportador de material genético, ora se estamos exportando é porque estão notando a qualidade de nosso plantel.

9 – QUAL A SUA OPINIÃO SOBRE AS EXPOSIÇÕES NO BRASIL E A QUALIDADE DE NOSSOS ÁRBITROS?

Tenho estado afastado das exposições, mas acredito que o modelo de exposições deveria ser revisto, com árbitros julgando em exposições especializadas, premiando cães e não apresentações.

10 – QUAL A SUA MAIOR FELIDICADE COMO CRIADOR?

Sentar no chão e ser escalado por 5 ou 6 filhotes com 50 dias, é impagável. 

11 – QUAL A SUA OPINIÃO SOBRE AS ALTERAÇÕES NO PADRÃO DA RAÇA?

Toda alteração que venha a melhorar a qualidade de vida dos cães é bem vinda.

12 – O QUE NÃO PODE FALTAR NUM BULLDOG?

Um corpo poderoso, compacto, com cabeça proporcional, um peito com boa abertura e uma movimentação fluente e com desenvoltura. 

http://www.bulldogue.com.br

Com a palavara, o Criador!

O Bullblog inaugurará, em breve, uma sessão de entrevistas exclusivas com os melhores criadores da raça Bulldog no Brasil. O objetivo é aproximar e dividir o conhecimento dos criadores com os nossos internautas. Será uma série de 12 perguntas incluindo recomendações para quem pretende adquirir um Bulldog, dicas aos novos proprietários, rotina do canil, alterações no padrão da raça, entre outros assuntos de interesse. AGUARDEM!

giba-criadorcolaborador

Gilberto Medeiros

Colaborador do Bullblog e Criador de Bulldogs desde 2003

Canil Reserva do Rei

O que todos nós queremos para o Bulldog!!!

O vídeo abaixo está linkado no site do The British Bulldog Club (http://www.britishbulldogclub.co.uk/intro.html) como uma “resposta” aos inúmeros problemas de saúde que vêm sendo atribuídos, até mesmo de forma genérica e irresponsável, à RAÇA Bulldog desde o Programa Segredos do Pedigree e que acabaram por pressionar o The Kennel Club a efetuar algumas atualizações no padrão da raça. Infelizmente o que alguns meios de comunicação “esquecem” de dizer é que muitas das alterações no padrão da raça estão apenas refletindo o que já é uma realidade entre  os criadores que são referência tanto “lá fora” como aqui no Brasil. O Bulldog moderno é um cão que deixou pra trás muitos dos aspectos esteriotipados da raça. A melhoria da saúde dos Bulldogs também é uma realidade, prova disso é o crescimento da raça no mundo todo. A grande melhora no quesito respiração dos Bulldogs, como mostra o vídeo do Canil Hillplace (Inglaterra), é também uma realidade para todos aqueles criadores que, assim como nós, trabalham com responsabilidade e querem o melhor para o Bulldog!!!

giba-criadorcolaborador

Gilberto Medeiros

Colaborador do Bullblog e Criador de Bulldogs desde 2003

Canil Reserva do Rei

Sarna Demodécica – Desmistificando um Mito…

arte (127)

Infelizmente, por desconhecimento ou até mesmo por informações totalmente equivocadas, a sarna demodécica, em muitos casos, é tratada de forma generalizada, sem que haja a necessária diferenciação entre a forma juvenil e a adulta, cujos tratamentos e conseqüências para a vida do cão são totalmente diversos.

Navegando pela internet, encontrei um dos melhores artigos sobre o tema demodex canis, de autoria da Médica e Criadora de Bulldog Francês, Dra. Camilli Chamone (http://www.villechamonix.com/).

Além de utilizar uma linguagem de fácil compreensão, o artigo é de notável valor, pois desmistifica inúmeras incompreensões sobre o tema:

Sarna Demodécica – Desmistificando um Mito

“Oi Camilli, levei minha bebê frenchie ao veterinário como você sugeriu. Se ele não tivesse feito o exame de raspado de pele, poderia jurar que era SARNA DEMODÉCICA. Imagine, que palavrão!!!”

Sarna demodécica.

Todos morrem de medo dela! Inclusive os criadores de cães.

Desde o advento do Google, todo mundo é meio-entendido em tudo: meio-chef de cozinha, meio-advogado, meio-jornalista, meio-fisioterapeuta, meio-médico, meio-dentista, meio-arquiteto, meio-paisagista e, por que não, meio-excelente veterinário? :)

Ainda há que se considerar que essa doença também é polêmica no meio profissional.

Como a ciência e a tecnologia são “voláteis”, um veterinário precisa estar atualizado; utilizar os conhecimentos adquiridos láááá na época da faculdade não é o suficiente para lidar com as bases celulares da patologia.

Por isso, talvez, tantas informações atravessadas sobre o tema, em todos os meios.

Enquanto os filhotes vivem no ambiente uterino da cadela, diz-se que eles são “germ free”.

A mesma coisa acontece com os humanos. Enquanto a mulher gesta, seu filho está protegido da maioria dos microorganismos que entra em contato com a mãe.

Somente após o nascimento, é que a microbiota (o termo “flora” está em desuso) da pele e das mucosas vai sendo povoada por bactérias, fungos, ácaros e outros microorganismos. E este é um processo contínuo, que ocorre por toda a vida do indivíduo.

No caso dos humanos, a boca possui – no mínimo – 500 espécies de bactérias distintas, além de fungos. Por mais incrível que pareça, para cada célula humana em nosso corpo, há 10 células de microorganismos aderidas ao nosso corpo (interna e externamente), que somam algo em torno de 1 kg de peso.

Não há problema algum em conviver com todos estes microorganismos, pelo menos para mim, que não sou imunodeprimida.

Com os cães, o mesmo processo ocorre.

Tão logo saem do ambiente uterino, entram em contato com microorganismos e dá-se início à colonização de pele e mucosas destes filhotes.

Bem, a história da sarna demodécica começa aí.

O que todas as pessoas precisam entender é que 100% dos cães possuem um ácaro, em pequenas quantidades na pele, chamado demodex canis.

Podem ser os sharpeis da Xuxa, pode ser o Barney – scottish terrier – do, ainda, presidente Bush, pode ser o Leo que chegou do Canadá, podem ser os vira-latas de meu pai. TODOS, absolutamente todos os cães da face da terra possuem um ácaro na pele/pêlo, chamado demodex canis.

E, claro, quando os filhotes nascem, eles entram em contato com a mãe e adquirem este ácaro. Assim como também adquirem streptococcus, staphilococcus, lactobacilos, fungos e outros microorganismos.

ISSO É NORMAL! Não há nada de errado com isso. Cães não ficam doentes porque a mãe tem o ácaro na pele.

Até 1 ano de idade, a imunidade do filhote é MUITO flutuante.
Por isso, muitos humanos de estimação se impressionam com a necessidade de constantes visitas ao veterinário, no primeiro ano de vida. Depois dos 2 anos de idade, tudo muda.

Durante essas flutuações de imunidade, muito comuns no 1º ano de vida, os microorganismos da pele – que também são oportunistas – podem se desenvolver MAIS, alterando o equilíbrio da microbiota normal.

Por isso, podem surgir áreas com perda de pêlo provocadas por fungos, bactérias ou pelo demodex canis.
Com esses microorganismos é assim: bobeou a gente pimba!

Este quadro de demodicose na infância não pode ser, definitivamente, taxado como aquela doença terrivelmente temida que ocorre na vida adulta, em ciclos repetidos, até o final da vida do cão.

A proliferação exacerbada do demodex canis na infância pode nunca mais recidivar, uma vez tratada, ou pode ocorrer em outros episódios, que sumirão na fase adulta.

A SARNA DEMODÉCICA “legítima” é uma questão imunológica, pois há contínua flutuação de imunidade, mesmo com o cão em idade adulta.

O professor de Dermatologia, do curso de Medicina Veterinária de SP, DR. RONALDO LUCAS, faz uma ótima analogia com relação à manifestação precoce do demodex canis: “O fato de alguém tomar um porre, não o qualifica como alcoólatra”.

Sobre a Dra. Camilli:
“Sou mineira de Belo Horizonte, graduada em Odontologia, pós-graduada em Odontopediatria e Genética. Durante 08 (oito) anos fui Professora Universitária Federal das disciplinas de Citologia e Genética –lecionei para os cursos de Odontologia, Enfermagem, Fisioterapia, Nutrição e Farmácia.”

Fonte:http://villechamonix.blogspot.com/search?q=sarna

giba-criadorcolaborador

Gilberto Medeiros

Colaborador do Bullblog e Criador de Bulldogs desde 2003

Canil Reserva do Rei

Base de Dados Bulldog Pedigree!

Pessoal, esta é uma dica de um site bem interessante. Ele foi desenvolvido por um criador da Espanha e apresenta fotos e pedigrees de Bulldogs do mundo todo. Com certeza vale a visita e com sorte é possível encontrar fotos e informações de antepassados de muitos bulldogs do Brasil. Para acessar o link clique aqui.

giba-criadorcolaborador

Gilberto Medeiros

Colaborador do Bullblog e Criador de Bulldogs desde 2003

Canil Reserva do Rei

 

Gasparzinho

Alfred tem 8 meses e adora fazer amigos, conta Jussimara Santos Ramos, de Santos (SP); veja a galeria das mascotes da semana

Como Gasparzinho, buldogue Alfred quer fazer amigos – Folha Online

Alfred é um buldogue amável, carinhoso e bem branquinho. Por tudo isso, lembra o personagem Gasparzinho. E, assim como o fantasminha camarada da TV, sua missão é fazer amigos.

O cão de Jussimara Santos Ramos, de Santos (SP), foi eleito uma das mascotes da semana da Folha Online.

“Apesar da cara de bravo, ele é um anjo de cachorro. Adora crianças. Quando vamos passear e ele vê uma, já quer sair em direção dela abanando o rabo para brincar. Fica muito feliz quando as pessoas na rua param para brincar com ele”, conta a dona.

Alfred tem oito meses e sua brincadeira predileta é “cabo-de-guerra”.

“Ele traz os brinquedinhos na boca para nos provocar e adora quando tentamos tirar dele”, diz Jussimara.

Segundo a dona, o buldogue tem bastante energia e é muito obediente.

“Já aprendeu a sentar e a dar a pata –mas, é claro, sabendo que logo em seguida vai ganhar uma guloseima.”

Fonte: Folha Online

Os animais derramam lágrimas?

Você já viu algum animal lacrimejar?

Getty Images

O texto a seguir foi copiado do site Terra, publicadona seção Mundo Animal. Clique aqui e acesse o link.

Certamente, você já viu um cachorro uivando, um gato miando ou uma vaca mugindo de forma que parecia um choro. Mas você já viu algum desses animais lacrimejando?

» Por que os cachorros uivam?
» Os cães sentem cheiro de medo?
» Por que os cães correm atrás do rabo?

De acordo com a veterinária Rubia Burnier, especialista em comportamento animal, os bichos realmente não vertem lágrimas quando querem manifestar seus sentimentos. “Os animais sentem emoções como medo, ansiedade e dor, mas se expressam de maneira diferente de nós, seres humanos”, diz. Um corpo estranho, poluição ou contato com alguma substância química são responsáveis pelo lacrimejamento dos olhos, o que é uma reação natural de defesa, explica Rubia: “Só acontece se algo provocar a irritação nos olhos deles, o que é bem diferente de chorar”. Segundo a especialista, a maior parte dos animais expressa suas emoções usando sua voz e adotando posturas físicas: “Uivar, choramingar, grunir, miar são alguns dos recursos usados pelos bichos para manifestar seu estado emocional”, exemplifica.

Pets ganham ambientes exclusivos em condomínios de SP

Foto: Jefferson Coppola/Folha Imagem

DAYA LIMA
da Revista da Folha

O conforto de Palhares, um bulldog inglês de sete anos, foi fator decisivo na hora da compra do novo apartamento da advogada Fabiana Dantas, 33. Quando ela se mudar para o residencial de 153 m2 no condomínio New York Club, na Lapa, região oeste, o cão passará a contar com um espaço exclusivo de 45,6 m2, feito sob medida para o animal de estimação.

Os futuros moradores do empreendimento, em fase de entrega das chaves, não vão precisar se aventurar pelas ruas para levar os pets para passear, já que o projeto da construtora Vivenda Nobre oferece aos “condôminos” de quatro patas um lugar chamado Dog Spa.

Na foto a Família de Fabiana Dantas passeia pelo DogSpa do condomínio New York Club, em SP, com o bulldog inglês Palhares, de sete anos

“Vivia preocupada com o estilo de vida de Palhares. Por não ter muito tempo, nossas saídas não eram regulares”, afirma Fernanda. “Agora, me sinto aliviada, afinal, como qualquer outro membro da família, ele precisa ser respeitado.”

Palhares terá à disposição um local para passeio com bebedouros no estilo de minifontes e espaço exclusivo para banho. O paisagismo é de uma praça, com vegetação própria e bancos de madeira, onde os donos poderão descansar, enquanto os bichos se aventuram pela área privativa.

O arquiteto e paisagista Benedito Abbud, responsável por muitos projetos nessa linha, comprova que tais atrativos são um sucesso comercial. “Pelo retorno que tenho das construtoras, lançamentos nesses moldes, geralmente, vendem em uma semana”, diz ele. O marketing de venda dos empreendimentos imobiliários, de fato, começa a ressaltar espaços com nomes como Dog Walk, Pet Care ou “cachorródromo”. “É uma tendência internacional e sai da esfera dos mimos para cachorros. Passa a ser uma questão de segurança”, acha o arquiteto.

A veterinária e terapeuta de cães Rúbia Burnier é entusiasta do conceito. Ela alerta para as péssimas condições de higiene nas praças da cidade, que podem causar doenças e infestações de pulgas e carrapatos. Dentro do condomínio, os bichos estariam, teoricamente, protegidos de acidentes, já que nas ruas correm mais risco de atropelamento.

A questão do confinamento do animal em um espaço menor pode ser resolvida com passeios aos sábados e domingos, segundo a veterinária. “O ideal é que os fins de semana, quando a cidade está mais tranquila e os donos têm mais tempo, sejam usados para mudar os ares do cãozinho”, diz.

Ao estabelecer espaços exclusivos para os pets, os residenciais também precisam estabelecer condições para o uso. René Vavassori, diretor da Itambé, empresa que administra condomínios, ressalta que os “cachorródromos” demandam regras rigorosas. Ele cita duas básicas: o uso obrigatório de coleiras, mesmo se o cão for pequeno, e a responsabilidade do dono de recolher as fezes do animal. Segundo René, zelar pela segurança, pela saúde e pelo sossego, inclusive daqueles que não frequentam o espaço, é dever de todos os condôminos. Quem não cumpre está sujeito a multa.

Para ler tudo clique aqui.

Fonte: matéria publicada hoje na Folha online.

Bulldog by Royal Canin

Pessoal,

A fonte da matéria a seguir é o site da Royal Canin, empresa que eu admiro e confio muito. Porém, fiquei com a pulga atrás da orelha… eles recomendam o Bulldog como “Cão de guarda. Cão policia, auxiliar militar. Cão de companhia”.

Como assim gente??? Cão de companhia sim, mas cão de guarda e militar??? Não é exatamente o contrário de tudo que já ouvimos falar? Peço a opinião de vocês e conforme for podemos mandar um e-mail para Royal Canin solicitando uma revisão na matéria.

Segue:

BULLDOG


Histórico

O Bulldog descende provavelmente dos Molossos de Epira – cães de guerra introduzidos em Inglaterra pelos navegadores fenícios. Tal como indica o seu nome (“bull” significa touro em inglês), este cão era criado para lutar contra touros. Foram também organizados combates entre cães. No entanto, em 1835, esta prática cruel foi abolida. Em 1875, foi publicado o primeiro standard desta raça. As seleções realizadas desde então fizeram do Bulldog um cão de companhia.

Educação

Vivo, ousado, corajoso, de carácter equilibrado, digno de confiança. Apesar do seu aspecto terrível possui um temperamento naturalmente afectuoso, calmo, bom carácter, não é um animal ruidoso. Excelente companheiro para as crianças. Muito afeiçoado aos donos. Deve ser educado com firmeza.

Conselhos Adapta-se à vida citadina, desde que possa realizar exercício diariamente. Suporta bastante mal o calor intenso. Escovagem diária e vigilância das rugas faciais para evitar eventuais irritações.

Utilização

Cão de guarda. Cão polícia, auxiliar militar. Cão de companhia.

Cabeça
Maciça. Face curta. Crânio largo. Pele solta e enrugada. “Stop” muito acentuado. Focinho curto, largo e arrebitado. Narinas largas. Lábios grossos e pendentes. Maxilares largos e quadrados. O maxilar inferior ultrapassa o maxilar superior recurvando-se ligeiramente para cima.

Orelhas
Bastante separadas, inserção alta, pequenas e finas. Em forma de pétala de rosa (dobradas de forma a mostrar o interior do pavilhão e o canal externo do ouvido).

Olhos
Muito afastados, de tamanho médio, redondos e muito escuros.

Corpo
Curto, bem unido. Pescoço muito espesso com barbela. Ombros largos e oblíquos. Peito amplo e redondo. Dorso curto e forte. Caixa torácica arredondada. Rim desenvolvido. Os quartos posteriores são fortes e altos. Ventre retraído.

Membros
Fortes, bastante musculados. Membros anteriores bastante separados. Pés redondos e compactos. As patas anteriores apresentam-se ligeiramente viradas para o exterior.

Cauda
Inserção baixa, redonda, de comprimento moderado. Apresenta-se baixa, sem curvatura acentuada na vertical.

Pêlo
Fino, curto, liso e cerrado.

Pelagem
Unicolor ou “fuligem” (ou seja, unicolor com máscara ou focinho negro) cores uniformes; vermelho, fulvo. Pelagem raiada, branca ou malhada (branco com as cores anteriormente referidas). As tonalidades fígado, negro e fogo não devem ser consideradas.
Tamanho
Entre 30 e 40 cm.

Peso
Macho: entre 24 e 25 kg. Fêmea: entre 22 e 23 kg.
Grupo
Os cães do tipo Pinscher e Schnauzer, Molossóides, cães da montanha e cães de Boiadeiro Suíços.

FONTE: Royal Canin