Lenda – Golpe envolvendo Bulldog

Variante do golpe dos nigerianos

Reverendo Jerry Charles doa filhote de bulldog inglês

Golpista envia mensagem para suas vítimas em potencial colocando à disposição delas filhote de bulldog inglês.

A história é a seguinte: o reverendo Jerry Charles foi para a África em missão religiosa e, ao chegar lá, descobriu que o clima não é muito saudável para o seu cãozinho. Preocupado, o reverendo pretende doar o baby para pessoa capaz de cuidar dele.

Outro país, outro clima e o cãozinho viverá bem melhor. O falso reverendo Jerry Charles também viverá bem melhor se a vítima enviar o dinheiro necessário para o transporte do animal: duzentos e cinquenta dólares. O fato é que o puppy existe, assim como o Jerry Charles também existe. Não o reverendo, mas outra pessoa.

No estado de Kentucky – USA Jerry Charles vende um Baby Face English Bulldog por U$450. É o que diz o Herald Leader (04 jun 2008). A foto do animal é idêntica à enviada pelo falso reverendo Jerry Charles.

Como nos casos clássicos do golpe dos nigerianos, o 419 scam, a pessoa interessada no cãozinho vai mandar os duzentos e cinquenta dólares para o falso reverendo. Depois disso, a vítima nunca mais terá notícias nem do reverendo, nem do dinheiro, nem do puppy e terá de se contentar com as fotografias dele, do puppy.

AVISO AOS NAVEGANTES O cachorrinho mostrado nas fotos não nos pertence. Ele pertence a um cidadão norte-americano e encontra-se à venda, lá nos EUA, por U$450,00.

Primeira mensagem, enviada para undisclosed-recipients, quer dizer, para dezenas, centenas ou milhares de pessoas oferecendo o ENGLISH BULLDOG FOR ADOPTION.

From: Jerry Charles To: undisclosed-recipients: Sent: Tuesday, June 03, 2008 4:54 PM

Subject: ENGLISH BULLDOG FOR ADOPTION.

MY NAME IS JERRY CHARLES , I GOT YOUR EMAIL VIA GOOGLE SEARCH ENGINE. I AND MY WIFE ARE ON A CHRISTIAN MISSION TO AFRICA AND I CAME ALONG WITH MY ENGLISH BULLDOG PUPPY. AFTER A WHILE I NOTICE THAT THE AFRICAN WEATHER IS NOT GOOD FOR THE PUPPY AND I HAVE NOT BEEN ABLE TO TAKE GOOD CARE OF HIM THE WAY I ALWAYS DO BECAUSE OF MY JOB. I NEED A SOMEONE TO ADOPT HIM AND TAKE CARE OF HIM THE WAY I ALWAYS DO. IF YOU CAN TAKE GOOD CARE OF HIM DO SEND A REPLY AND I WILL EMAIL YOU HIS PICTURES. I HOPE TO READ FROM YOU.

REGARDS Pls reply to charlesjerry788@gmail.com

Segunda mensagem, após confirmação do interesse na “adoção” do baby, à qual foram anexadas fotos do charmoso cãozinho.

From: Jerry Charles Subject: Adoption Details Date: Wednesday, June 4, 2008, 2:39 PM

Hello, Thanks for your interest in my pet. Firstly i want you to know that i searched your email via google email directory search engine.The English Bulldog Puppy is still very much available for adoption. Baby is a registered English Bulldog . He is Cute as you can get,he has a cute little teddy bear face and a soft non shedding hair coat. If you are looking for a little buddy to take with you everywhere you go, then here he is .he has a wonderful personality and loves to cuddle AKC registered ADORABLE and SOCIABLE with GREAT Personalities and very good bloodlines.he is also very healthy and current on his puppy vaccinations. a nice crate and health certificate. more so ever i want you to know that i am in western African now on my Christian mission along with my wife and the puppy .after a while i notice that the African weather is not good for the puppy and i have not been able to take good care of him the way i always do because of my job.i need someone to adopt him and take care of him in the right way as i have always done for him. AKC Registered English Bulldog PUP1/2 LBS.) CHAMPIONS HE WILL WEIGH APPROX. 3 1/2 TO 5 LBS AKC English Bulldog REGISTER. CHAMPION BLOODLINES STUD: Yes ALL SHOT COMPLETED :yes HE IS 15 WEEKS OLD HE WILL GO HOME WITH ALL HIS CURRENT VACC. AND WORMING HE CAN BE SHIPPED AT EXPENSE FOR APPROX. $250 back to usa if you can afford that. please kindly Get Back To Me With The Informations Below If You Are Interested In Taking him so that arrangement can be made when i am not in church for the delivery to the information that you will provide for me : Full Name: Contact Address: Nearest Airport: Contact Phone Number: nearest airport or would you prefer the baby to deliver to your door-step? name on the Tag: Baby Let me k now if you would like some puppy grooming and feeding guide magazines so that I can include them in the shipping. He will be delivered 48 hours After shipment . await to read from you if interested in the English Bulldog May God Be With You.

Reverend Jerry Charles.

Só fiquei na dúvida se entendi bem…

isso é uma lenda conhecida e alguém quis aplicá-la, ou é tudo papo…?

Se alguém já ouviu falar dessa história explique melhor para a gente….

Padrão Oficial da Raça (CBKC)

GRUPO 2: Padrão FCI 149 – 16/04/2004

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA – Filiada à Fédération Cynologique Internationale

Classificação F.C.I.:
Grupo 2 – Pinscher e Schnauzer, Molossóides, Boiadeiros e Montanheses Suíços e raças assemelhadas.
Seção 2 – Molossóides
2.1 – Tipo Mastife

——————

BULLDOG: Nomenclatura Cinófila utilizada neste padrão

Padrão FCI no 149 – 16 de abril de 2004.

País de origem: Grã-Bretanha
Nome no país de origem: Bulldog
Utilização: Companhia – Sem prova de trabalho

Sergio Meira Lopes de Castro – Presidente da CBKC
Domingos Josué Cruz Setta – Presidente do Conselho Cinotécnico
Tradução: Suzanne Blum Impresso em: 22 de agosto de 2008.

1-
Trufa
11-
Ísquio
21-
Metacarpo
2-
Focinho
12-
Coxa
22-
Carpo
3-
Stop
13-
Perna
23-
Antebraço
4-
Crânio
14-
Jarrete
24-
Nível do esterno na cernelha
5-
Occipital
15-
Metatarso
25-
Braço
6-
Cernelha
16-
Patas
26-
Ponta do esterno
7-
Dorso
17-
Joelho
27-
Ponta do ombro
8-
Lombo
18-
Linha inferior
a-
Profundidade do peito
9-
Garupa
19-
Cotovelo
b-
Altura do cotovelo
10-
Raiz da cauda
20-
Linha do solo
a+b=
Altura do cão na cernelha

APARÊNCIA GERAL

pêlo macio; atarracado, de estatura bastante baixa, largo,
poderoso e compacto. Cabeça maciça, bastante larga em proporção ao tamanho.
Nenhuma parte deve estar em excesso em proporção a outras, a ponto de prejudicar a
simetria geral ou fazer com que o cão pareça deformado ou mesmo interferir em sua
movimentação. A face é curta; focinho largo, grosso e inclinado para cima. Cães
mostrando dificuldades respiratórias são altamente indesejáveis . Corpo curto,
bem ajustado, sem tendência à obesidade . Membros fortes, sólidos, bem musculosos
e em muito boa condição. Posterior alto e forte e de algum modo, mais leve em
comparação com o dianteiro pesado. Fêmeas não são tão grandes ou bem
desenvolvidas quanto os machos.

COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO

o Bulldog dá uma impressão de determinação, de força e atividade. Alerta, valente, leal, seguro, corajoso, de aparência
feroz, mas dotado de uma índole afetuosa.

CABEÇA

vista de perfil, parece muito alta e curta do occipital à trufa. A testa é
plana, com pele acima e ao redor da cabeça, solta e finamente enrugada, nem proeminente, nem pendente na face. A projeção dos ossos frontais é proeminente, larga, quadrada e alta. Do stop, um sulco largo e profundo se estende até o meio do crânio. A face frontal dos ossos zigomáticos até a trufa é curta com pele enrugada. A distância do canto interior do olho (ou do centro do stop entre os olhos) até a extrema ponta da trufa não deve exceder o comprimento da ponta da trufa à comissura labial.

REGIÃO CRANIANA

Crânio: largo em circunferência, medido (em frente das orelhas) deve ter aproximadamente o comprimento da altura do cão na cernelha. Visto de frente, aparenta ser muito alto do canto do maxilar inferior até o occipital; também muito largo e quadrado.

Stop: profundo; largo entre os olhos.

REGIÃO FACIAL

Vista de frente, as várias partes da face devem ser igualmente balanceadas de cada lado de uma linha imaginária descendo do centro.

Trufa: nariz e narinas de bom tamanho, largas e pretas, jamais de cor fígado, vermelha ou marrom. A ponta da trufa é bem colocada para trás em direção aos olhos. Entre as narinas grandes, largas e abertas, com uma linha vertical bem definida.

Focinho: curto, largo, curvando-se para cima e muito profundo do canto do olho ao canto da boca. As rugas do focinho não devem interferir com suas linhas de inclinação.

Lábios: grossos, largos, pendentes e muito profundos, cobrindo completamente as laterais da mandíbula e sem cobrir a frente. Na frente, os lábios se unem cobrindo inteiramente os dentes.

Maxilares / Dentes: maxilares largos, maciços e quadrados. A mandíbula se projeta consideravelmente para a frente do maxilar superior e curvando-se para cima. Maxilares largos e quadrados com 6 incisivos pequenos entre os caninos inseridos regularmente em uma linha reta. Caninos bem separados. Dentes grandes e fortes, nunca devem ser vistos com a boca fechada. Quando vista de frente, a mandíbula deve se juntar direta e paralelamente ao maxilar superior.

Bochechas: bem arredondadas e estendidas além de cada lado dos olhos.

Olhos: vistos de frente, inseridos baixos no crânio, bem separados das orelhas. Olhos e stop numa mesma linha reta em um ângulo reto do sulco frontal. Bem separados, mas seus contornos externos ficam no interior das bochechas. Redondos, de tamanho moderado, nem inseridos profundamente nem proeminentes. De cor muito escura, quase preta, sem mostrar o branco quando olhando diretamente para a frente. Livre de óbvios problemas oculares.


Orelhas: inseridas altas; a borda anterior de cada orelha (vista de frente) se junta ao contorno do crânio no ângulo superior, de maneira que as orelhas fiquem bem separadas, mais altas e o mais distantes possível dos olhos. Pequenas e finas. Orelhas em rosa é correto, quer dizer, dobradas para dentro na sua parte posterior, a borda anterior superior se curva para o exterior e para trás, mostrando a parte interna do ouvido.

PESCOÇO

De comprimento moderado (mais para curto do que longo), muito grosso, profundo e forte. Bem arqueado atrás, com muita pele solta, grossa e enrugada na garganta, formando barbela de cada lado, da mandíbula até o peito.

TRONCO

Linha superior: ligeiramente caída para trás, atrás dos ombros (parte mais baixa), de onde a coluna vertebral se direciona para o lombo (ponto mais alto que o ponto dos ombros), descendo, de novo, bruscamente, até a cauda, formando um arco (chamado roach-back), característica típica da raça.

Dorso: curto, forte, largo nos ombros, comparativamente mais estreito no lombo.

Peito: largo, lateralmente redondo, proeminente e profundo. Costelas bem arqueadas para trás. Peito com boa capacidade, redondo e muito profundo do topo dos ombros até a parte mais baixa onde é bem junto ao peito. Bem descido entre as pernas dianteiras. Seu diâmetro é largo, redondo atrás dos membros dianteiros (não é plano), costelas bem redondas.

Ventre: esgalgado, não pendente.

CAUDA

inserida baixa, saliente e reta, depois inclinando para baixo. Redonda, lisa, sem franjas ou pêlos ásperos. De comprimento moderado, mais curta do que longa, espessa na raiz, afilando para a ponta. Portada baixa (não tem uma curva para cima, na ponta), nunca portada acima do dorso.

MEMBROS

Anteriores: robustos e fortes, bem desenvolvidos, bem separados, grossos, musculosos e retos. Apresentam um contorno arqueado, mas os ossos das pernas são fortes e retos, nem arqueados nem tortos; curtos em proporção às pernas posteriores, porém não tão curtos a ponto de o dorso parecer longo ou de prejudicar a atividade do cão e de incapacitá-lo.

Ombros: largos, oblíquos e profundos, muito poderosos e musculosos dando a aparência de serem unidos ao corpo. .

Cotovelos: longos e colocados bem longe das costelas.

Metacarpos: curtos, retos e fortes.

Posteriores: longos e musculosos, proporcionalmente mais longos do que os anteriores a fim de elevar o lombo. Perna longa e musculosa do lombo aos jarretes curtos, retos e fortes na parte de baixo.

Joelhos: redondos e virados ligeiramente para fora, longe do corpo.

Jarretes: ligeiramente angulados, bem descidos; os jarretes se unem assim um ao outro e as patas posteriores viram para fora.

Patas: retas e viradas ligeiramente para fora, de tamanho médio e moderadamente redondas. Patas posteriores redondas e compactas. Dedos compactos e grossos, bem separados, fazendo salientar as juntas que são altas.

MOVIMENTAÇÃO

Particularmente pesada e contraída, parecendo andar a passos curtos e rápidos, na ponta dos dedos. As patas posteriores não se elevam muito, parecendo raspar o chão. Quando o cão se movimenta rapidamente, um ou outro ombro avança.

PELAGEM

Pêlo: de textura fina, curto, fechado e liso (duro unicamente por ser curto e fechado, mas não de arame).

Cor: unicolor (de uma só cor com máscara preta ou focinho preto). Somente unicolor (que deve ser brilhante e puro); vermelho em suas diferentes tonalidades, fulvo, marrom claro, etc; branco e tigrado (combinação de branco com qualquer das cores precedentes). As cores fígado, preto e preto com marrom são altamente indesejáveis.

PESO

Machos: 25 kg.
Fêmeas: 23 kg.

FALTAS

Qualquer desvio dos termos deste padrão deve ser considerado como falta e penalizado na exata proporção de sua gravidade e seus efeitos na saúde e bem estar do cão.

É exigido aos juízes que sigam este padrão e leme em consideração as seguintes faltas:

• rugas no focinho muito elevadas ou cobrindo a trufa.

FALTAS ELIMINATÓRIAS

agressividade ou timidez excessiva;
cães monstrando dificuldade respiratória;
cauda não aparente.

NOTAS:

• os machos devem apresentar os dois testículos, de aparência normal, bem desenvolvidos e acomodados na bolsa escrotal.
• todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento deve ser desqualificado.

Copyright ® CBKC – Departamento de Artes Gráficas
Copyright ® FCI
Reprodução total ou parcial proibida. Todos os direitos reservados

Clique no ícone abaixo para baixar a versão de impressão do Padrão Oficial da Raça (CBKC)

Fonte: CBKC – CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA

A hora do banho!

Eu achei o máximo estes vídeozinhos!! Confere aí!

Entrevista com Bibbo Camargo

Entrevista com o fotógrafo de cães que já foi criador de Bulldog Inglês e tem participação ativa na História da raça no Brasil.

Que idade você tem e seu nome é Bibbo Camargo mesmo?
Eu tenho 43 anos, e meu nome é Luiz André Claudino Camargo. Quando eu era bem pequeno era fã de um desenho animado chamado Bibbo PAI, Bobby FILHO.
Eram dois cães sem raça definida e ainda lembro que eram bem divertidos. Na internet pode se pesquisar sobre eles e ver alguns dos desenhos animados ainda.
Acabei ficando com o apelido e resolvi usá-lo como nome artístico.

Quando ocorreu seu primeiro contato com os Bulldogs?

Aos 5 anos eu ganhei de meu pai um Bulldog de açougueiro, sim o nome na época era esse para cães de cara bem chata criados nos matadouros e fazendas de gado.
Eram do tamanho de boxers, mas tinham a linha do dorso reta e eram extremamente fortes. Era muito semelhante ao Bulldog Americano.
Me apaixonei ali por cães molossos. Por volta dos 10 anos peguei uma revista de modas da minha mãe e tinha uma propaganda onde aparecia um cão que me deixou simplesmente extasiado.
Era um Bulldog Inglês, pequeno forte e maravilhoso. Lembro que nem dormia a noite pensando na foto.

Quando teve seu primeiro Bulldog?

Quando completei 16 anos eu vi o primeiro ao vivo, pois na década de 80 eram raros no Brasil.
Foi no Canil Palm Springs aqui em Curitiba, fui para ver Mastim Napolitanos e acabei vendo um filhote de Bulldog correndo no corredor do canil. Ali eu vi como eles eram maravilhosos mesmo. Mas tinha um problema, eram raros no Brasil e portanto muito caros. Acabei não comprando um Bulldog na época, mas comprei tudo que era literatura sobre eles. A maioria importada é claro. Aguardei até ter o valor necessário para comprar um e quando ele chegou foi uma festa. O nome dele era Buster e tinha linhagem inglesa (canil OCOBO), filho de uma cão que acabava de chegar da Inglaterra (OCOBO jonka).
Buster acabou sendo o melhor Bulldog do Paraná e um dos melhores do Brasil no ranking de 2000. Ele está até hoje nas propagandas de seguros residencias da caixa economica federal. Buster foi um ótimo companheiro e morreu aos 12 anos deixando mais de 100 filhos.

Quais foram os primeiros registros da raça no Brasil?

Na década de 60 um senhor chamado Solon de Camargo trouxe ao Rio de Janeiro um casal, mas não existem registros de que tenham gerado prole.
Na década de 70 a Sra. Ophelia Velozo, da cidade de Curitiba trouxe Bulldogs da Inglaterra, do canil Merrivem. Estes cães deram início a criação em nosso país.
O canil da Sra. Ophelia chama-se Outdoors Brazil. Posteriormente exemplares deste canil foram comprados pela Sra. Líbia Marinoni que fundou o canil Palm Springs, também em Curitiba.

De lá pra cá o que mudou na raça?
As mudanças na realidade ocorreram depois do ano de 2000 quando as importações foram em grande escala, sendo que em 2001 mais de 30 cães foram importados dos USA, Espanha, África do Sul e Inglaterra. A qualidade dos Bulldogs melhorou muito depois de 2000, pois nas décadas de 70, 80 e 90 não tivemos muitas importações de Bulldogs de qualidade, salvo alguns exemplares. Mas geralmente eram machos e eram cruzados com fêmeas de baixa qualidade. De 2000 para frente fêmeas de ótima qualidade foram importadas e deram o salto na qualidade da criação nacional.

Como você vê o atual plantel nacional?
A cada exposição que vou fico mais satisfeito com o que vejo. Temos hoje Bulldogs de criação nacional com excelente qualidade.

Fora do Brasil quais são seus Bulldogs favoritos?

Olha, você ver um Bulldog pessoalmente é a única forma de avaliar as qualidades dele e dar um parecer. Muitas criadores brincam comigo e falam que eu vivo do passado, mas o Bulldog que mais me impressionou até hoje foi OCOBO TULLY (já faleceu) que ganhou o Bulldog of the year na inglaterra em 1994, 1996 e 1997. Ele era um Bulldog completo na minha opinião. Tive a satisfação de ter um neto dele em meu canil.

Qual sua opinião sobre a qualificação dos árbitros nacionais que julgam a raça?
Está melhorando, mas já foi bem complicado colocar Bulldogs nas exposições. Acredito que com o crescimento da participação dos Bulldogs em exposições os árbitros estão se obrigando a conhecer mais a raça. Alguns árbitros vem dominando bem o padrão da raça, mas ainda temos algum chão para chegarmos aos julgamentos feitos na Europa.

O que você acha que define um Bulldog Inglês?
Força, muita força, mas com harmonia, ou seja ele tem que ser bem distribuído no tocante ao volume dos itens que se pede no padrão.

Muitas pessoas acham que Bulldog é tudo igual, inglês, francês, americano. Fale porque as raças são totalmente diferentes.
Olha, para quem está a tanto tempo envolvido com a raça as diferenças são marcantes.

O Bulldog Inglês falando de uma forma para que todos entendam, é o que tem a cara mais chata e a maior ruga acima do nariz, além de ter orelhas pequenas e voltada para trás. Também é o mais largo no peito entre todos levando-se em conta a proporção entre eles. O Francês é denunciado pelas orelhas que são ao alto e é de estatura e peso bem menor. O Bulldog Americano é bem mais pesado e mais alto, mas apesar disso se assemelha muito a um inglês fora de padrão, só que mais pesado e mais alto.

Você conhece muitos canis, o que você considera fundamental neles?
Conheço muitos canis. Olha o fundamental na parte de manejo é ter condições financeiras para criar bulldog com muita higiene e com boa alimentação. Depois é fundamental saber o que o criador quer da sua criação. Se ele cria bem, então deve ter estudado e nunca feito cruza aleatórias, ou seja, cruzas sem estudar os pedigrees e sem se importar com a qualidade dos envolvidos na cruza. Um bom criador sempre tem tempo para falar sobre sua criação com um futuro pretendente a comprador de um filhote de seu canil.

Você participou ativamente do desenvolvimento da raça em nosso país. Nos conte algo sobre isso.
Acho que minha participação foi mais como organizador de eventos da raça (exposições especializadas) e como incentivador das importações em grande número que ocorreram no início deste século.
Em 2000 a AGROTEC (empresa que comercializa vídeos técnicos de criação de animais e etc) foi ao meu canil (Kippax Fearnought Kennel) e me propôs fazer um documentário sobre a raça. Topei e o video na época foi um grande sucesso. Ainda hoje recebo ligações de pessoas de todos os estados relatando que compraram o vídeo e querendo falar sobre Bulldogs. Isso foi ótimo.
Em 2001 organizei a primeira exposição nacional de Bulldogs em Curitiba com o apóio do Kennel Club da Grande Curitiba. Tivemos mais de 30 cães do Brasil todo e em 2002 fiz a segunda nacional com mais de 40 Bulldogs em pista. Em 2001, editei uma revista que era dirigida aos criadores da raça. Ela era trimestral e teve boa aceitação. Acabei parando com ela quando me mudei para os USA. Quando retornei ao Brasil recebi um convite da ABRABULL (única entidade oficial da raça reconhecida por orgãos internacionais de cinofilia) para ser editor da uma revista sobre a raça. Demos o nome de BULLDOG SHOW e ela teve 7 edições. Parou por um tempo e está retornando agora em setembro tendo como editor um amigo meu, criador da raça. Além disso, aproveitando a grande idéia do meu amigo Pedrão da Bulldogada em São Paulo, fundei a Bulldogada Curitibana que há dois anos tem encontros trimestrais e um site bem alegre e interessante www.bulldogadacuritibana.com

Qual a sua dica para quem está querendo comprar um Bulldog Inglês?

Procure um canil e exija ver o plantel. Nunca compre sem ver os pais da ninhada. E se puder pegue referências com quem já tenha um cão adulto deste canil. Pergunte sobre a saúde dele e se o canil deu todo suporte após a venda. Bulldog é um cão caro e portanto deve estar dentro do padrão e com boa saúde. Para isso estude um pouco sobre como deve ser um bom bulldog.

Quando iniciou seu trabalho com fotos de Bulldogs?
Eu fui empresário antes de me dedicar ao design gráfico e a fotografia. Eu tinha academia de ginástica e por 20 anos trabalhei neste ramo, apesar de ter formação como designer gráfico
No início desta década eu acabei vendendo a academia e fui morar nos USA com minha família. Trabalhei como designer gráfico no departamento de marketing de uma empresa e acabei desenvolvendo algumas logomarcas para canis e clínicas veterinárias de amigos aqui do Brasil. Notei que dia a dia chegavam mais encomendas de logos para canis, pois os criadores me indicavam. Em 2003 minha esposa teve uma gravidez de risco e tivemos que retornar ao Brasil. Chegando aqui os trabalhos se expandiram para criação de layouts para revista de cães. Ali eu senti a necessidade de ter boas fotos, pois as que me enviavam eram muito amadoras. Como eu já tinha vários cursos de fotografia e tinha ganho até prêmios na área, resolvi que a fotografia tinha que ser parte do meu trabalho também. Na década de 90 eu já tinha feito alguns trabalhos de fotografia com Bulldogs que deram bons resultados em revistas e sempre foram elogiados. Acho que como eu amava a raça procurava ver qual o melhor ângulo deles e como eles deveriam ser apresentados nas fotos. Hoje sei como fotografar a maioria dos cães, pois estudei como eles devem ser apresentados. Isso tem muito a ver com a História da raça e até a finalidade, ou seja, para que a raça foi desenvolvida inicialmente.

É muito difícil fotografar cães profissionalmente?

Depende muito do cão, mas têm outros fatores como horário das fotos. Por exemplo: nunca espere conseguir fotos magníficas de um Bulldogs às 12:00, ou com sol forte.
Um conjunto de fatores resultam em uma ótima foto: horário (ideal seria das 5:30 às 7:00 no verão e das 7:00 às 8:30 no inverno), piso e local de fundo, equipamento profissional e conhecimento sobre raça a ser fotografada. Pela manhã os cães estão sempre mais dispostos e atentos. Com o tempo de experiência e respeitando os fatores necessários os objetivos tornam-se satisfatórios.

Como fotógrafo, nos conte como é fotografar Bulldogs?
Olha, se eu definir, os meus clientes vão querer me cobrar para eu fazer as fotos. (risos)

Mas fale pra nós qual o segredo para se fotografar um Bulldog?

Intimidade com a raça e amor.

Qual foi o seu maior desafio ao fotografar um Bulldog?

Acho que nunca tive um grande problema ao fotografá-los, mas eu tento fazer as fotos sempre em locais com fundos que valorizem a imagem dele. Fiz uma foto na beira do Rio Guaíba em Porto Alegre pela qual tenho maior carinho, pois acordamos muito cedo e o Bulldog em questão era um importado maravilhoso, sendo assim o meu desafio era transferir a qualidade dele para a foto. Acho que consegui. A outra imagem que acredito que tenha sido um desafio, foi a foto de um Bulldog correndo. Nunca tinha visto a foto artística de um Bulldogs correndo e resolvi que eu faria uma. Achei um bulldog de ótima qualidade e de ótima saúde para pegá-lo na corrida com as patas no ar. Consegui!! Ambas as fotos estão no meu site.

Fotos: Bibbo Camargo

Quais foram e quais são suas atividades envolvendo a raça?
Como designer eu monto layout para revistas a pedido de criadores de todo o Brasil. Também crio logomarcas para canis de Bulldogs, São 60 logos para canis de Bulldogs entre as mais 150 logos que tenho em meu portfolio. Além do design, as fotos, a direção da Bulldogada Curitibana, e sou conselheiro da ABRABULL região Sul.

Quantas logos e quantos anúncios publicitários você já fez tendo o Bulldog como artista principal?
Com uma que terminei hoje são 60 logos envolvendo Bulldogs. Layout realmente perdi a conta, mas devo ter feito bem mais de 100 layouts para canis de Bulldogs.

Você tem Bulldog em casa?
Adoraria tê-los novamente em casa. Acabei de me mudar para uma casa e em breve um deles fará parte da família novamente.

E pra finalizar, por que ter um bulldog?
Olha, tai algo que eu nunca pensei ao certo “o porquê”. Pra mim o Bulldog nunca fez parte da lógica e sim da emoção, sendo assim nuca procurei um “porquê” nele.
Acho que ele ser tão diferente, da prosposta de uma cão que a natureza nos oferece, faz com algumas pessoas o admirem tanto.

Abraços a todos os amantes desta raça fantástica.

Bibbo Camargo

www.bcamargo.com.br

Roteiro elaborado por: Bibbo, Bullblog e Gilberto Medeiros.

Bulldog de Famosos

REESE WITHERSPOON E FRANK SINATRA

A famosa Elle Woods, representada por Resse, em Legalmente Loira passa o filme todo com um Chihuahua chamado Bruiser.

Mas na vida real a atriz é acompanhada pelo lindo bulldogão Frank Sinatra, nome escolhido por ela e seu marido Ryan Phillippe por serem fãs do cantor.

Além de Frank eles têm um bulldog francês e um Chihuahua.

Pink e seu bulldog "Fucker"

PINK E SUA BULLDOG FUCKER

Pink casou-se com o motociclista Carey Hart no inicio de 2006 na Costa Rica, após o casório o casol foi lua de mel em uma gelada estação de esqui, mas não deixaram de levar seus quatro cães, chamado por eles de filhos. Um dos filhotes é um lindo bulldog chamado Fucker.

.

Ernani D'Almeida

ANDRÉ MARQUES E MURALHA

O ator conta que ganhou seu bulldog de presente enquanto filmava para o VideoShow em Jundiaí. Havia um canil lá, e o dono descobriu que o sonho de André era ter um bulldog inglês e resolveu presentea-lo.André deu o nome de Muralha porque diz que o cãozinho é muito forte, além disso também fala orgulho que Muralha é super companheiro, preguiçoso e adora lamber .

.

ADAM SANDLER E MEATBALL

Devido ao seu louco amor e carinho por seu bulldogs, o astro Adam Sandler, juntamente com sua esposa, levou seus cães ao seu casamento no ano de 2003.

Meatball, o bulldog mais velho, foi elegantemente vestido com um smoking feito exclusivamente para ele, assim como a jovem Yarmulke em um lindo modelito romântico.

DYLAN E COLE SPROUSE COM BUBBA

O bulldog Bubba não costuma aparecer em fotos com a duplinha.

Mas encontrei esse vídeozinho:

Aniversário de 1 mês do BullBlog

Zelda Wisdom

Foto: Zelda Wisdom

Hoje o BullBlog está comemorando 1 mês de vida e MUITO sucesso. Foram mais de 6.000 acessos durante estes 30 dias!

Estamos muito felizes e esperamos continuar compartilhando bons momentos com nossos bullblogueiros fiéis e também com os novos que virão.

Muito obrigado leitores e continuem participando cada vez mais, porque é a colaboração de todos que faz deste espaço um portal de conteúdo interessante e informativo.

Lambidas alegres para todos vocês!!

Concurso de Bulldog nos EUA

Buddy venceu o concurso Beautiful Bulldog, nos EUA

Vencedor do concurso Beautiful Bulldog, nos EUA

No dia 23 de abril de 2008, ocorreu o concurso “Beautiful Bulldog” em Des Moines, no estado Iowa (EUA), a competição foi promovida pela Universidade de Drake. Riggs, um bulldogão marrom de três anos, que dorme e ronca muito, foi o vencedor. O seu dono George DuBois conta que a preparação de Riggs para o concurso foi a base de muita soneca e umas poucas caminhadas nos 15 últimos dias que antecederam a disputa. Os donos do cão estavam surpresos e muito felizes com a vitória.

Muitos dos concorrentes estavam fantasiados, mas Riggs fez questão de estar “peladão”. Aos pesquisar sobre o evento encontrei divergências em relação ao nome do vencedor, algumas reportagens falaram em Riggs, outras em Buddy. Pois não sei ao certo qual o nome certo.

Não é a primeira vez que esta competição acontece, em 2006 a vencedora foi Hannah de 2 anos.

Bulldog nos desenhos animados

De tão lindos e bem humorados, e também com cara de mau, eles ganharam fama até mesmo nos desenhos animados.

Tex Avery, o mesmo criador de Pernalonga, criou Bad Luck Blackie”, no qual o bulldog era o protetor do gatinho filhote.

Em “Tom e Jerry” o bulldog é o famoso Spike, criado por Joseph Barbera e William Hanna.


Livros sobre Bulldog

Segue uma seleção de livros exclusivos sobre a raça, uma pena que a grande maioria seja em inglês (até agora todos que achei). Quem sabe não me animo a escrever um em português? Alguém disposto a me ajudar??

The book of the Bulldog:

De autoria de Joan M. Brearley, este é um dos mais abrangente livros sobre bulldogs, sendo bastante ilustrado com fotografias e gráficos para ajudar o leitor a visualizar as informações contidas no livro. Alguns leitores consideram que o livro é um Bulldog Bíblia, que conta a a história completa da raça, explicando seus hábitos, traços, problemas comuns de saúde – absolutamente tudo que você queria saber sobre eles.

Bulldogs (Complete Pet Owner`s manual):

Se você é um dono de cão inexperiente, talvez goste deste livro. Ele traz dicas de higiene, cuidados, etc. Mas, se você está procurando mais informações sobre bulldogues não o compre. As únicas informações específicas da raça são as figuras, fotos e o padrão no final do livro.

The Story of Real Bulldog:

Escrito por Robert Jenkins e publicado pela TFH. A recriação do Bulldog vitoriana, o atlético, saudável e doce cão que acompanhavam pessoas com mais de 100 anos atrás, é o objectivo pessoal dos autores. Este livro detalha a origem, de subida, descida e moderno-dia regeneração do Bulldog.

A New Owner`s Guide to Bulldogs:

O livro é bastante informativo sobre a história, os problemas de saúde, como treinar e cuidar deles. As imagens fazem você se apaixonar ainda mais por um Bulldog. Para quem está pensando em comprar um filhote de bulldog, este livro tem tudo que você precisa saber, repleto de imagens e muito fácil de ler. Continue reading

Revista Virtual Cães & Cia

Encontrei no site Cães & Cia uma revista virtual só sobre Bulldog Inglês. Embora seja meio chato para ler, está bem interessante, vale a pena conferir!! Clique aqui para ver.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 235 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: