Nódulo Lingual

Na clínica atendemos vários bulldogs com lesões na cavidade bucal. São os mais variados tipos de problemas, desde cortes até ferimentos causados por espinho de ouriço. Também são comuns alguns tumores bucais, assim como doenças gengivais ou dentárias. Recentemente atendi uma bulldoguinha que apresentava uma lesão lingual, na região bem central da língua, não apresentava sangramento local ou desconforto. Segundo os proprietários apresentava apenas uma salivação mais intensa, mas como isso é bem comum nos bulls, não foi muito valorizado. Muito comumente verificamos sangramentos em lesões bucais e alguns cães diminuem a ingesta alimentar pelas lesões. Alguns também apresentam halitose, ou seja, odor desagradável na boca. Foi-me relatado pelos donos que durante um passeio verificou-se a presença da lesão, quando a bull expos toda a língua em decorrência do exercício.

Os tumores malignos na cavidade bucal abrangem cerca de 6% de todos os cânceres caninos. O carcinoma de células escamosas é o tumor lingual mais comum, tem comportamento maligno e geralmente o local de apresentação é na rafe da língua. Assim gerou-se uma apreensão sobre o nódulo lingual da paciente.

Foi realizada a cirurgia para retirada do nódulo e encaminhamento pra biópsia. Fez-se a retirada do nódulo totalmente, com manutenção de margem de segurança ampla. A língua foi suturada com fio absorvível, assim não necessitando a retirada dos pontos. Recebeu medicações pós-operatorias, antibiótico, antiinflamatório e analgésico e manteve-se alimentação pastosa por alguns dias.

Por volta do décimo dia após a cirurgia os pontos já haviam sido absorvidos e a lesão estava cicatrizada. O resultado da biopsia indicou uma inflamação crônica, não exigindo nenhum tipo de tratamento posterior.


Dra. Viviane Dubal – CRMV/RS 8844

Formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e proprietária da Clinica Veterinária Saúde Animal em Porto Alegre. Contato: vivianesd@bol.com.br

Dica de Leitura Bullblog

Vale a pena dar uma lida na última edição da revista Cães e Cia (nº 398), especialmente em razão da entrevista prestada pelo criador Carlos Albuquerque (Canil Javary – RJ), colaborador do Bullblog e também um de nossos patrocinadores. Diversos aspectos relativos às alterações no padrão da raça, melhorias na saúde e mitos sobre o Bulldog foram devidamente esclarecidos com a maestria própria de quem cria com seriedade e responsabilidade.

 

LIPOMA

O lipoma é um tipo de neoplasia originária dos adipócitos (células de gordura). Pode surgir como uma massa única ou múltipla, tendo preferência por locais como o tórax e membros anteriores. Geralmente se localizam no subcutâneo (logo embaixo da pele), são moles, não aderidos, e facilmente removíveis via cirurgia. Os lipomas são tumores benignos, muito comuns em fêmeas idosas castradas.

O diagnóstico é feito através do exame clínico do paciente e exames complementares. Na consulta através do exame físico, o veterinário determina qual a melhor forma de proceder para fazer o diagnóstico adequado. Assim poderá solicitar:

  • Raio x do local;
  • Ecografia;
  • Exames de sangue para check up geral;
  • Biopsia aspirativa do local;
  • Encaminhamento para cirurgia e posterior biopsia do tumor.

 

Opta-se pela cirurgia conforme a localização, tamanho e dúvidas sobre o diagnóstico. Essas dúvidas podem surgir quando os demais exames não foram conclusivos na confirmação do tipo de tumor.

lipoma

O caso relatado via fotos é de um cão SRD, porte grande, de nove anos de idade, encaminhado de um abrigo. Apresentava aumento de volume no membro anterior esquerdo na região axilar, não se tem informações sobre o ritmo de crescimento do tumor. Essa massa estendia-se pela axila, tórax e dorso, sem haver comprometimento do movimento do braço esquerdo do paciente.

O cão apresentava desconforto no local à manipulação e distensão da pele em vários pontos. Foi realizado raio x do local a fim de aproximar a extensão da neoplasia, verificou-se que envolvia apenas tecidos moles sem envolvimento ósseo e sem invasão do tórax. Os demais exames complementares permitiram que o paciente fosse submetido à cirurgia.

Optou-se direto pela cirurgia sem biopsia aspirativa prévia em vista do tamanho avantajado do tumor e do desconforto apresentado pelo cão. Foi mantido um dreno no local pelo período de três dias. O paciente recebeu antibiótico, antiinflamatório e analgésicos. Uma amostra do material coletado foi enviada para exame histopatológico (biopsia) que indicou realmente lipoma. Os pontos foram retirados após 14 dias da cirurgia e o cão se recuperou totalmente.


Dra. Viviane Dubal – CRMV/RS 8844

Formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e proprietária da Clinica Veterinária Saúde Animal em Porto Alegre. Contato: vivianesd@bol.com.br

 

Quer receber a revista Bulldog Show em sua casa?

A Revista Bulldog Show voltou com força total e seu Editor chefe e também colaborador do Bullblog, Carlos Albuquerque, nos cedeu alguns exemplares que estaremos enviando aos autores das 3 Melhores Frases sobre o Bullblog. Importante registrar que a revista não é vendida e possui tiragem limitada. Quer ganhar a sua, então mande sua frase até o dia 20/12/2011 para o email reservadorei@reservadorei.com.br. Os vencedores terão suas frases publicadas no Bullblog.

 

O BOY 2011 tem a sua Eleita!

Uma das mais importantes e tradicionais exposições da raça, o Bulldog Of The Year (BOY), realizada pelo The Bulldog Club Incorporated em 26 de novembro de 2011 (http://www.bulldog-inc.com/,) no ginásio de esportes da pequena cidade inglesa de Luton, teve como grande vencedora e estrela da festa a fêmea Ch. MELLOWMOOD ONE IN A MILLION de criação e propriedade de Denise Lees (Canil Melloowmood – UK). As demais colocações foram: BOY BOS Ch. Nobozz Riddick; BOY RES DOG Laroyal Luther King  JW ShCM e BOY RES BITCH Britishpride Fancy Free.

 

giba-criadorcolaborador

Gilberto Medeiros

Colaborador do Bullblog e Criador de Bulldogs desde 2003

Canil Reserva do Rei

 

O seu Bulldog tem PPPP?

Foto Yvonne Axling

Toda vez que entregamos um filhote, tentamos passar o máximo de informações aos proprietários para que ele possa crescer e se desenvolver da melhor forma possível junto à nova família.

Geralmente, o momento que antecede à aquisição do filhote é péssimo para esse fim, pois, com razão, todos estão loucos para ter o filhote em mãos e levá-lo para casa. Então, muitas informações importantes são perdidas/esquecidas.

Tentando achar uma forma de repassar ao menos os cuidados básicos aos novos proprietários de um Bulldog, criei uma regra simples de 4 (quatro) itens, todos eles começando com a letra “P”: PROTEÍNA, PESO, PASSEIO e PISO.

Começamos pela PROTEÍNA, aqui representada basicamente pelo uso de uma ração Premium ou, preferencialmente, Super Premium. A raça Bulldog, além de gozar de um excelente apetite, é exigente quanto à qualidade do alimento. Por isso, nada de economia na hora de escolher a ração. Tudo aquilo que for economizado em nutrição cobrará seu preço em pelagem, desenvolvimento ósseo/muscular, fezes e até mesmo sistema imunológico. Vale lembrar que o uso de guloseimas, embora permitido, deve ser controlado, sob pena desse “extra” acabar competindo/substituindo com o alimento Super Premium. Lembre-se: muito embora perfeitamente adaptado ao nosso estilo de vida, o Bulldog é essencialmente um carnívoro. Então, a palavra de ordem ainda é Proteína!

O PESO ideal está intimamente relacionado com a Proteína e, por isso, será mais facilmente alcançado com o uso de uma ração de qualidade. Sempre brinco com as pessoas que visitam nosso canil que todos os nossos Bulldogs passam um pouco de fome. Se comessem tudo aquilo que têm vontade já teriam morrido ou estariam sofrendo com problemas de saúde em função do sobrepeso. Essa é a realidade do Bulldog, um cão glutão e que ganha peso muito rápido! No caso do filhote, esse tópico merece um destaque maior, pois estamos falando de um cão brincalhão, que cresce muito rápido. O desenvolvimento da musculatura, ossos e tendões nem sempre acompanha o seu ganho de peso. Além desse aspecto, outro que chama atenção é a anatomia peculiar do Bulldog, sendo fato que a quase totalidade dos exemplares possui algum grau de displasia. Então, um filhote acima do peso certamente será um candidato a ter problemas de aprumos ou até desenvolver uma displasia de grau maior com reflexos em sua qualidade de vida. O cuidado com o peso também se aplica aos cães adultos, principalmente em função da respiração, coração e articulações. Enfim, procure uma dieta capaz de manter o Peso ideal em todas as fases da vida de seu Bulldog!

O PASSEIO representa aquela atividade física diária compatível com as limitações da raça. Ter uma rotina de passeios irá trazer muitos benefícios à saúde física e mental do seu Bulldog, a começar pela manutenção do peso ideal. Muitas vezes, apenas uma dieta correta, em quantidade e qualidade, não será capaz de colocar seu Bulldog em forma. Por isso a importância de uma atividade física, respeitando o calor e as limitações de cada cão. O mesmo se pode dizer da parte muscular, pois toda vez que temos um Bulldog forte temos também um cão com menor risco de problemas articulares e com uma melhor condição cardiorrespiratória. Por fim, mas não menos importante, está o stress causado pelo confinamento e o acúmulo de energia, os quais muitas vezes acabam gerando inúmeras patologias físicas e comportamentais. Então, mexa-se, vamos ao Passeio!

Por fim, por ser um cão pesado desde filhote, o PISO não-escorregadio é vital para o perfeito desenvolvimento ósseo e muscular do filhote, pois dará segurança às brincadeiras e atividades físicas. Evite exercícios/brincadeiras com seu Bulldog em locais onde o tipo de piso possa facilitar deslizes e escorregões. O mesmo se pode dizer do uso de escadas, assim como subir e pular do sofá. Se o chão da casa ou apartamento escorrega, mais um motivo para que os exercícios ocorram no pátio ou em parques, de preferência num belo Piso de grama!

Se você conseguir combinar os 4 “P’s” na rotina do seu Bulldog, certamente terá uma cão mais feliz, longevo e com uma melhor qualidade de vida.

giba-criadorcolaborador

Gilberto Medeiros

Colaborador do Bullblog e Criador de Bulldogs desde 2003

Canil Reserva do Rei

Tumor de mama em Bulldog

O tumor de mama é uma das neoplasias mais comuns em fêmeas adultas ou idosas. O risco é agravado nas seguintes situações:

  •   Animais não castrados – caso a fêmea venha a ser castrada antes do primeiro cio o risco é muito baixo (cerca de 0,5%), sobe para 8,0% caso seja castrada após o primeiro cio e chega a quase 30% caso venha a ser castrada após o segundo cio;
  •   Fêmeas que receberam alimentação rica em gordura ou rica em proteínas como carne bovina ou suína antes do primeiro cio;
  •   Pacientes que nunca tiveram filhotes e não foram castradas;
  •   Fêmeas que receberam anticoncepcional (progestágenos exócrinos);
  •   Pacientes com cistos ovarianos ou pseudogestação (gestação psicológica).

A cadeia mamária é formada por 4-5 mamas de cada lado, sendo que as mais acometidas pela neoplasia são as duas mamas caudais. O diagnóstico é realizado pelo exame clínico e histórico da paciente. O tratamento de eleição é a retirada cirúrgica de uma das cadeias mamárias e se possível castração concomitante. Caso as duas cadeias mamárias estejam comprometidas são necessários dois procedimentos cirúrgicos para resolução total. Sugere-se que o material seja enviado para biópsia a fim de determinar o tipo de tumor e prognóstico. Também temos opção de quimioterapia, radioterapia e imunoterapia em alguns casos.

Antes do procedimento, é necessária a realização de exames complementares. O raio x de tórax é muito importante para determinar a existência de metástases pulmonares e assim avaliação do risco trans-operatório. Exames de sangue também se fazem necessários, assim como check up cardíaco. Muitas vezes quando são diagnosticadas metástases pulmonares com comprometimento severo da função respiratória, opta-se pela não realização da cirurgia. Nesses casos o risco no trans-operatório é muito grande e a qualidade de vida pós-operatória fica comprometida.

O prognóstico varia de acordo com o tipo de tumor e grau de evolução. Assim a melhor forma de prevenção está na castração precoce quando não houver intenção de reproduzir, evitar uso de anticoncepcionais injetáveis ou orais, palpação freqüente da região, alimentação balanceada e revisões periódicas no veterinário.

Fotos: a bulldoguinha da foto chama-se Gorda, tem 9 anos e foi vítima de maus-tratos e abandono. Veio à clínica recentemente apresentando um tumor de mama grande sem comprometimento pulmonar ao raio x e sem alterações ao exame de sangue. Foi adotada por nós e realizou a primeira cirurgia, se recupera bem. Agora ela está mais gordinha e bem mais feliz.


Dra. Viviane Dubal – CRMV/RS 8844

Formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e proprietária da Clinica Veterinária Saúde Animal em Porto Alegre. Contato: vivianesd@bol.com.br

Penso, logo mordo!

Centro de Educação Canina Graciosa Dog Resort

Muitas pessoas possuem uma concepção incompleta e muitas vezes equivocada do que realmente significa uma mordida no mundo canino.

Vamos começar pela infância/juventude dos cães e a vida entre irmãos de uma ninhada.

Filhotes brincam, interagem e se comunicam utilizando o corpo e principalmente a boca.

Nesta fase do desenvolvimento, os filhotes aprendem a modular a intensidade de suas abocanhadas pela reação do irmão.

Se o filhote extrapola em seu jogo e morde forte o irmão, automaticamente recebe como resposta um ganido e a imediata interrupção da brincadeira.

Quando isso acontece, temos também uma reação do ofensor que esboça uma expressão desconcertada de quem pisou na bola e acabou descumprindo as “regras do jogo”.

Também nessa idade se percebem os primeiros sinais dos diferentes perfis comportamentais de cada um dos filhotes e as brincadeiras constituem uma oportunidade para os filhotes testarem suas pretensas posições hierárquicas na ninhada e posteriormente na matilha.

Assim, como todo ser vivo dotado de inteligência, o filhote, independente da raça, irá, enquanto cresce e desenvolve-se, interagir com seu dono da mesma forma com que faria junto aos irmãos de ninhada, sua mãe e/ou cães mais velhos.

Note-se que no caso específico do Bulldog, temos um cão outrora de arena, ou seja, uma raça cuja função originária e primitiva era morder e, queira ou não, esse viés, essa inclinação, está presente também no DNA dos pacatos e companheiros Bulldogs modernos.

Em outras palavras, o uso da boca em todas as fases do Bulldog é mais pronunciado do que em outras raças.

E é justamente por isso que o proprietário precisa compreender o significado da mordida do filhote e saber interagir corretamente para que problemas futuros sejam evitados.

Muitas das reações do proprietário às mordidas agressivas do filhote são totalmente equivocadas e acabam por reforçar/recompensar a conduta indesejada.

Jamais provoque o filhote com jogos violentos usando a mão ou outro objeto como oponente.

Muitas mordidas são, também, formas que o filhote/cão adolescente encontra de chamar a atenção ou extravasar suas frustrações.

Por isso, qualquer tipo de atenção dada ao filhote, positiva ou negativa, após a indesejada mordida, servirá como reforço ao ato de morder.

Assim sendo, nada de comentários do tipo “ai que bonitinho todo brabinho” ou “que feio mordendo a mamãe”…

Aqui se abre um parêntese para registrar que filhotes não são crianças e, por isso, não podemos jamais humanizar essa relação. Buscar conhecer e entender a ótica canina é fundamental para que o convívio seja de companheirismo, respeito e amizade.

Lembre-se que você não conseguirá educar um filhote dando-lhe apenas carinho. É preciso impor regras, limites e restrições.

Em 99% dos casos nos quais o proprietário têm alguma reclamação comportamental do seu cão, tal situação foi causada por erros cometidos pelo próprio dono do animal. Muito mais do que pensar em chamar um adestrador, são os donos que precisam ser “adestrados”, pois desconhecem o cão e o seu papel na vida dele.

O mesmo se pode dizer de todo e qualquer castigo físico como bater com jornal, sacudir pelo cangote, segurar o focinho com a boca fechada ou gritar com o cão.

A melhor reação à mordida forte é interromper a interação com o filhote como aconteceria se  a brincadeira fosse entre dois cães.

Outra alternativa é desviar a atenção e a boca do filhote para objetos e brinquedos apropriados, que possam ser roídos e mordidos à vontade.

Gastar a energia do filhote com atividade física e brincadeiras apropriadas e que não envolvam fortes mordidas é também uma excelente opção, pois energia acumulada e falta de atenção dos donos podem gerar situações em que o ato de morder nada mais é do que um pedido de atenção ou uma válvula de escape.

Por isso, caro leitor, não espere que aquele filhote levado para casa seja como uma máquina que já vem programada para funcionar sempre da mesma maneira. Procure ler, busque informar-se sobre tudo o que cerca o universo e a ótica do cão.

giba-criadorcolaborador

Gilberto Medeiros

Colaborador do Bullblog e Criador de Bulldogs desde 2003

Canil Reserva do Rei

Uma Exposição Histórica!

Vem aí a 1ª Exposição destinada exclusivamente à Bulldogs nascidos no Brasil, é a 1ª Copa Abrabull de Criação Nacional (Julgada pelo árbitro e criador Renato Rocha) e o 1º Match Abrabull de Criação Nacional (Julgado pelo criador Pedro Lóes). Esse evento, que certamente escreverá um capítulo importante da raça em nosso país, ocorrerá na cidade de Joinville-SC, no dia 25 de julho de 2011. Confira abaixo as demais informações e detalhes sobre essa importante exposição:

giba-criadorcolaborador

Gilberto Medeiros

Colaborador do Bullblog e Criador de Bulldogs desde 2003

Canil Reserva do Rei

Sessão da Tarde… “Tom and Jerry”

Assim como eu, muitos tiverem o primeiro contato com a raça quando ainda criança, assistindo a sessão da tarde e vibrando com a figura poderosa e rabujenta do Bulldog Spike do seriado Tom and Jerry, então vale relembrar:

 

giba-criadorcolaborador

Gilberto Medeiros

Colaborador do Bullblog e Criador de Bulldogs desde 2003

Canil Reserva do Rei

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 235 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: