Category Archives: Saúde + Dicas do VET

Viajando com seu Bulldog.

Está acabando as férias, hora de retornar para casa, mas viajar pode ser um momento de grande stress, tanto para nós, como para nossos pets. Para tornar a viagem um pouco mais confortável para ambos devemos dar atenção à algumas dicas importantes.

10891904_375460512613466_3660571005592767243_n
1. Durante a viagem, mantenha o seu pet seguro num transportador ou cinto de segurança e sempre bem ventilado. Estes existem em diversos formatos e em diversos tamanhos e materiais. Certifique-se que o transportador tem espaço para o pet ficar em pé, sentado, para se movimentar e ser capaz de se virar sem dificuldade. É muito importante que esse transportador seja previamente usado em casa, para que ele se sinta à vontade dentro dele. 

Saber para opinar…

1455003_10152078475313534_300286519_n

Nota de Esclarecimento: O artigo em questão não é destinado àqueles que, de maneira determinada, vislumbraram uma oportunidade de negócio em detrimento ao padrão e, por conseqüência, a própria raça Bulldog. Então, caso você se enquadre nessa categoria, não perca tempo lendo as próximas linhas.

Por ignorarem o assunto, muitos desavisados comemoram toda vez que uma foto de um Bulldog de “pelagem rara” é publicada nas redes sociais.

Logo está formado um grande rebanho internético ovacionando o ser incomum…

A primeira reflexão a fazer é que o termo raça, tal qual aplicamos em nossa cinofilia, só existe graças ao seu respectivo padrão racial, simples assim! Por sua vez, o standard racial não é obra de extra-terrestres ou de algum ditador apaixonado por cães…

Ele tem uma história que começa com a gênesis da raça, sua funcionalidade, sua adaptação aos dias atuais e, principalmente, sua preservação.

No caso do Bulldog, muito mais realçada essa ultima função do padrão já que suas últimas atualizações foram motivadas, exclusivamente, pelo quesito saúde!

Sobre a história e o surgimento da raça, vale lembrar que a pelagem na cor preta, merle e outras aventuras comerciais, jamais estiverem presentes nos cães e nas “raças” formadores do que hoje denominamos Bulldog. Em outras palavras, o aparecimento de cães com essas pelagens são o resultado de verdadeiras exceções, por genes recessivos e que por isso mesmo podem trazer consigo problemas de saúde que não são comuns à raça ou aos cães de um modo geral.

Posicionando-se sobre o tema, cabe transcrever recente parecer do The Kennel Club, órgão máximo e o exclusivo responsável pelo padrão da raça:

“O Kennel Club não aceita o registro, incluindo cães importados, de qualquer Bulldog merle. Merle padronização – manchas de cor mais clara que aparecem no revestimento – é o resultado do gene M no cão . Existem dois alelos deste gene: M (revestimento) e m ( não- tri), com Merle ( M ), sendo dominante a não Merle ( m ). Em algumas raças, o efeito do alelo Merle ( M ) é denominado “dap” . Infelizmente , os efeitos do alelo Merle ( M ) não se limitam a perda auditiva e da visão associado com ele, em especial em cães que são homozigóticas para M ( cães que transportam duas cópias do alelo M). Como a cor merle não é uma cor natural nesta raça, e tendo em vista os problemas de saúde relacionados com o gene merle, o Kennel Club não aceitará o registro de qualquer filhote de Bulldog na cor Merle”

1623783_10152254285118534_639608916_n

Como se não bastasse, todos aqueles que querem transformar um acidente genético em uma variedade racial, por óbvio, estão preocupados em atingir um único e exclusivo objeto: produzir cães com pelagem “rara”!

Nesse caso o que aconteceria com todas as outras preocupações que deveriam nortear um cruzamento responsável? Em breve, associado à pelagem, teremos pessoas preocupados em cruzar cães para produzir exemplares com olhos em cores também “raras” e sabe-se lá quantas outras novas “raridades” e enfermidades poderiam surgiriam na carona destes modismos…

A imaginação e a imbecilidade humana seriam o limite! Sem dúvida alguma, esses seriam os primeiros passos para a degeneração da raça, para a destruição de tudo aquilo que demandou tempo e esforço pessoal de muitos criadores verdadeiramente apaixonados pelo Bulldog.

Quem cria com o mínimo de responsabilidade e profissionalismo tem tantas preocupações ligadas à saúde e ao padrão racial, que a cor da futura ninhada tem muito pouca ou quase nenhuma relevância! Inverter esse pensamento é um tiro no pé, uma verdadeira agressão e um desrespeito ao Bulldog.

1463484_10152078472283534_478441195_n

Antes que alguém resolva atacar lançando mão de algum infeliz argumento, lembro que o objetivo aqui não é negar o eventual nascimento de cães com essa pelagem, nem tampouco pregar o extermínio de filhotes portadores de faltas ou desvios do estalão.

A pretensão do presente texto é, acima de tudo, informar e fazer pensar, pois quem cria está sujeito a resultados inesperados e sobre os quais muitas vezes não se tem controle. Então tenha sempre em mente que explorar de forma aventureira modismos e falhas genéticas jamais pode estar associado à idéia de criador ou de raridade…

Gilberto Medeiros

 giba 01_web

www.reservadorei.com.br

Principais doenças que acometem a raça.

Boomer – Proprietária Patricia Brito

Boomer – Proprietária Patricia Brito

O Bulldog Inglês é reconhecido como um excelente animal de estimação para uma família por causa de sua tendência a formar laços fortes com as crianças. Ele tende a ser gentil e protetor. A raça requer preparação e disciplina por parte do dono para poder educá-lo e exercícios regulares, pois tende a ganhar peso e ficar obeso. Seu nariz curto o torna propenso ao superaquecimento (heat stroke ou hipertermia) em clima quente, principalmente no verão.

Apesar de gracioso e gentil, pode chegar a pesar mais de 30 kg e, por isso, deve ser avaliada a disponibilidade de espaço e de tempo para atividade física. Ele vive, em média, em torno de 8 a 10 anos.

Heat Stroke ou Hipertermia: Doença de calor que ocorre quando os animais são expostos a temperaturas ambientais altas ou situações de estresse.

O cão idoso.

Reserva do Rei Força Bruta - Hugo

Reserva do Rei Força Bruta – Hugo

Se você tiver um cão idoso, esta matéria o ajudará a entender suas necessidades especiais, para que permaneça saudável durante sua velhice.

Cães idosos tem necessidades especiais. Seus corpos estão começando a ficar mais lentos e o desgaste da vida começa a aparecer. A vida de cães pode variar muito, dependendo da raça, embora outros fatores também influam. Um bom início na vida “com cuidados e nutrição corretos enquanto o animal ainda é um jovem adulto” terá bons resultados quando chegar à velhice.

Acne canina.

A acne canina é uma alteração inflamatória que aparece na região do queixo e os lábios dos animais jovens. Em geral surge em cães de pêlo curto e tem correlação com a raça, bulldog inglês, boxer e dog alemão são muito acometidos. Os sinais clínicos mais comuns são lesões com aspecto avermelhado, inflamatórias, podendo gerar dor à palpação e cicatrizes posteriores.
O diagnóstico pode ser realizado pelo exame clínico do paciente e exames complementares, como a coleta de material do local e análise laboratorial.

417431_360195614013865_1286211853_n

Proprietários – Leandro Liane Dornelles

O tratamento varia conforme a gravidade do problema e tempo de aparecimento, alguns pacientes crônicos demandam tratamento diferenciados. Evitar que o bull traumatize o local com a pata quando estiver com coceira ou ao esfregar-se em locais como sofás e tapetes é muito importante. A limpeza do local com produtos específicos e evitar espremer as espinhas também são muito importantes na recuperação do local. Medicações sistêmicas como antibióticos e antiinflamatórios também podem ser necessários, e muitas vezes alguns tratamentos devem ser mantidos por tempo prolongado até a resolução do problema.

vivianeDra. Viviane Dubal – CRMV/RS 8844
Formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e proprietária da Clinica Veterinária Saúde Animal em Porto Alegre.
(51) 30920191 ou (51)98782218

Bulldog e o verão.

verao

E chegou a época de sol e calor! A grande maioria das pessoas adora este período do ano. Mas muitos se descuidam com questões básicas com os cães, que necessitam de atenção especial nesta época do ano.

Hora do passeio

Donos de cães e gatos substituem ração por dieta natural.

Troy & Truff - Proprietário Bruno Marins

Troy & Truff – Proprietário Bruno Marins

As três formas são balanceadas e baseadas em dietas postuladas por médicos-veterinários autores de livros consagrados – as referências estão informadas no material de cada modelo de dieta. Portanto, se você seguir as orientações à risca, nada faltará ao seu peludo. Os requerimentos nutricionais dele serão plenamente atendidos com uma dieta fresca, variada e natural!

Mas diante dessas opções – com ossos, sem ossos, crua, cozida – qual modalidade escolher? Falemos um pouquinho sobre vantagens e desvantagens de cada uma.

SAS – Ansiedade de Separação

Britney - Proprietária Adri Kotoman

Britney – Proprietária Adri Kotoman

Vamos falar sobre SAS onde citamos alguns comportamentos apresentados para cães que sofrem com ela, mas podem se manifestar por outros motivos.

Problema comum enfrentado por diversas famílias e seus cães é a Ansiedade de Separação, apresentada quando os cães são deixados sozinhos, oque é um problema grave. Sintomas mais comuns são: destruição por roeduras, latidos excessivos e grande excitação na chegada dos donos.

Salve Thor – Bulldog Inglês com Câncer

Thor

Thor já com a pata amputada.

O que o abandono, os maus tratos e o descaso é capaz de fazer na vida de um lindo cão!!!

Quem não conhece a história desse guerreiro Thor que foi abandonado com câncer em uma praça no Rio de Janeiro, adotado pela Luiza Santana que nos conta como tudo aconteceu.

“Eu adotei esse Bulldog Inglês no dia 18 de agosto, que dei o nome de Thor, estava abandonado em uma praça em Vila Valqueire no RJ, liguei para o meu amigo Edson que sempre resgata animais, e perguntei se tinha um gatinho pra uma amiga ele disse que não mas que havia acabado de pegar um Bulldog de uma menina que resgatou mas não tinha condições de cuida lo. Na mesma hora me prontifiquei a ficar com ele, Sr. Edson falou ele esta com a pata machuca ainda, não vi o estado dela, mais a menina achava que tinha sido atropelado.
Chegando lá o Sr. Edson me apresentou o Thor, foi paixão a primeira lambida, primeira vista e primeiras batidas dos nossos corações acho que tinha a mesma frenquência e parecia que  já nos conhecíamos, a partir dai eu tive certeza que ele deveria ficar comigo.

Mitos e verdades sobre a castração.

1555617_10152231550227421_1999740896_n-300x225