O seu Bulldog tem PPPP?

Foto Yvonne Axling

Toda vez que entregamos um filhote, tentamos passar o máximo de informações aos proprietários para que ele possa crescer e se desenvolver da melhor forma possível junto à nova família.

Geralmente, o momento que antecede à aquisição do filhote é péssimo para esse fim, pois, com razão, todos estão loucos para ter o filhote em mãos e levá-lo para casa. Então, muitas informações importantes são perdidas/esquecidas.

Tentando achar uma forma de repassar ao menos os cuidados básicos aos novos proprietários de um Bulldog, criei uma regra simples de 4 (quatro) itens, todos eles começando com a letra “P”: PROTEÍNA, PESO, PASSEIO e PISO.

Começamos pela PROTEÍNA, aqui representada basicamente pelo uso de uma ração Premium ou, preferencialmente, Super Premium. A raça Bulldog, além de gozar de um excelente apetite, é exigente quanto à qualidade do alimento. Por isso, nada de economia na hora de escolher a ração. Tudo aquilo que for economizado em nutrição cobrará seu preço em pelagem, desenvolvimento ósseo/muscular, fezes e até mesmo sistema imunológico. Vale lembrar que o uso de guloseimas, embora permitido, deve ser controlado, sob pena desse “extra” acabar competindo/substituindo com o alimento Super Premium. Lembre-se: muito embora perfeitamente adaptado ao nosso estilo de vida, o Bulldog é essencialmente um carnívoro. Então, a palavra de ordem ainda é Proteína!

O PESO ideal está intimamente relacionado com a Proteína e, por isso, será mais facilmente alcançado com o uso de uma ração de qualidade. Sempre brinco com as pessoas que visitam nosso canil que todos os nossos Bulldogs passam um pouco de fome. Se comessem tudo aquilo que têm vontade já teriam morrido ou estariam sofrendo com problemas de saúde em função do sobrepeso. Essa é a realidade do Bulldog, um cão glutão e que ganha peso muito rápido! No caso do filhote, esse tópico merece um destaque maior, pois estamos falando de um cão brincalhão, que cresce muito rápido. O desenvolvimento da musculatura, ossos e tendões nem sempre acompanha o seu ganho de peso. Além desse aspecto, outro que chama atenção é a anatomia peculiar do Bulldog, sendo fato que a quase totalidade dos exemplares possui algum grau de displasia. Então, um filhote acima do peso certamente será um candidato a ter problemas de aprumos ou até desenvolver uma displasia de grau maior com reflexos em sua qualidade de vida. O cuidado com o peso também se aplica aos cães adultos, principalmente em função da respiração, coração e articulações. Enfim, procure uma dieta capaz de manter o Peso ideal em todas as fases da vida de seu Bulldog!

O PASSEIO representa aquela atividade física diária compatível com as limitações da raça. Ter uma rotina de passeios irá trazer muitos benefícios à saúde física e mental do seu Bulldog, a começar pela manutenção do peso ideal. Muitas vezes, apenas uma dieta correta, em quantidade e qualidade, não será capaz de colocar seu Bulldog em forma. Por isso a importância de uma atividade física, respeitando o calor e as limitações de cada cão. O mesmo se pode dizer da parte muscular, pois toda vez que temos um Bulldog forte temos também um cão com menor risco de problemas articulares e com uma melhor condição cardiorrespiratória. Por fim, mas não menos importante, está o stress causado pelo confinamento e o acúmulo de energia, os quais muitas vezes acabam gerando inúmeras patologias físicas e comportamentais. Então, mexa-se, vamos ao Passeio!

Por fim, por ser um cão pesado desde filhote, o PISO não-escorregadio é vital para o perfeito desenvolvimento ósseo e muscular do filhote, pois dará segurança às brincadeiras e atividades físicas. Evite exercícios/brincadeiras com seu Bulldog em locais onde o tipo de piso possa facilitar deslizes e escorregões. O mesmo se pode dizer do uso de escadas, assim como subir e pular do sofá. Se o chão da casa ou apartamento escorrega, mais um motivo para que os exercícios ocorram no pátio ou em parques, de preferência num belo Piso de grama!

Se você conseguir combinar os 4 “P’s” na rotina do seu Bulldog, certamente terá uma cão mais feliz, longevo e com uma melhor qualidade de vida.

giba-criadorcolaborador

Gilberto Medeiros

Colaborador do Bullblog e Criador de Bulldogs desde 2003

Canil Reserva do Rei

22 Responses to O seu Bulldog tem PPPP?

  1. beatriz arantes disse:

    Fantastico!!!!!!!!!
    Me apaixonei pelo meu Bulldogue, a 1ª vista ( ele tinha 50dias).
    Só queria levá-lo pra casa, e foi o que fiz ( depois de comprar o enxoval completo….rs).

    Só fui ler sobre a raça, qdo ele teve a 1ª dermatite.
    Depois veio a displasia….meu Deus!!!! Quase enlouqueci com medo que ele pudesse não ter uma vida tão saudavel….

    Conversei muito com varios veterinarios ( além do dele), com proprietarios e com criadores de Bulls. Li muito a respeito da raça.
    Descobri o site de vcs, me inscrevi para receber as materias ( leio todas, além de divulgá-las no Facebook, no Twitter, e para os amigos que tem Bulls ).

    Resultado:
    Dermatite: só teve 1 realmente forte ( a 1ª). Hj, qdo vejo uma bolinha minima que seja, já trato.

    Displasia: dos 6 meses até quase os 2 anos de idade, ele fez hidroesteira ( 2 x por semana ).

    Ração desde os 18meses de idade é a light ( alterno com as da Hills (RD), Royal Canin medium e ProPlan ). Qdo a pele começa a ter sinais de dermatite ( as tais 1ªs bolinhas ), dou a ProPlan Peles Sensiveis.

    Passeios são diarios e após as 21hrs, em local plano e com pouquissimo transito.
    Nos fins de semana levo-o para casa do meu pai que tem um jardim enorme e ele brinca quase o tempo todo na grama, correndo com uma linda Vira-Latinha que adotei ( são irmãos-gemoeos!!!Rs)

    Hj ele está com 2 anos e 4 meses, é um Bulldogão forte, alegre, feliz, e deliciosamente “sem-noção”.

    Adorei a materia de vcs. Perfeita e completa e, como sempre vai me ajudar muito.

    Obrigado,
    Beatriz

  2. MarcosMarcos disse:

    Muito bom o post, já conhecia muitas informações …. antes de adquirir minha bull fizemos “a lição de casa certinho” … um livro que eu recomendo em inglês é entitulato “Bulldog (Comprehensive Owner’s Guide) by Michael Dickerson (Mar 1, 2004)”. Ganhei este livro de presente da minha irmã e foi uma referência muito valiosa, além deste BLOG é claro !!!

    O resto aprendemos com a experiência do dia a dia. Ao contrário do que muitas pessoas divulgam sobre a longevidade do Bulldog eu ví recentemente uma bulldog com “11 anos” chamada Mafalda esbanjando saúde e docilidades peculiares da raça.

    As pessoas que irão adquirir um bull devem se especializar “ao máximo”, dedicar pelo menos de 6 a 8 meses visitando criadores sérios e aprendendo tudo que puderem, principalmente no que diz respeito à temperatura e passeios “em excesso”.

    Sempre me deparo com pessoas utilizando “enforcador” que em inglês é denominado “Choke Collar” em Bulldogs … isso representa um alto risco, deve-se sempre usar peitoral em seu Bull e se possível discipliná-lo a não puxar durante o passeio.

    Muitos Bulls “refugam” durante o passeio querendo voltar para casa (como no meu caso), nestas situações não insista, se você possuir um quintal ou área não escorregadia brinque com seu bull de jogar bola …. eles simplesmente adoram e isso drena grande parte da energia acumulada.

    Outra coisa que aprendí com a experiência é que Bulldogs são extremamente dóceis com as pessoas e nem todos toleram outros cães, afinal este “gordinho” é um “gladiador” e guarda em seu DNA o instinto de subjugar o oponente, sendo esse oponente simplesmente um passarinho ou um enorme Mastim Napolitano, portanto toda atenção é necessária no momento de um passeio ou contato com outros cães.

    Quanto à alimentação o POST está 100% correto, nem pensar em alimentar um Bull com uma ração que não seja super premium, a ração incorreta acarretará em queda de pêlos e flatulência exagerada.

    A limpeza dos olhos, orelha, rabo e dobras deve ser diária ou em dias alternados e os lugares devem ser muito bem secos para evitar fungos e alergias. O excesso de banhos também é prejudicial pois a oleosidade natural da pele do Bull pode ser comprometida. Muita atenção no local onde se dá banho no Bull, dê preferência por banhos em casa e no chuveiro com água morna sempre lembrando de tapar bem os ouvidos.

    É isso … também faço minhas as palavras do excelente autor anônimo:
    – “…UMA VIDA NUNCA SERÁ PLENA SE NÃO SE TEVE UM BULLDOG…”

    –Marcos
    Saúde, Alegrias e Paz a todos

    • Obrigado Marcos é sempre bom lermos estas experiências, estamos todos sempre aprendendo!!!

    • Rafael Mello disse:

      Olá Marcos,

      Belas palavras sobre os nossos “gordinhos”, entretanto tenho apenas uma ressalva no que diz respeito a utilização do peitoral em detrimento a coleira clássica em torno do pescoço.

      A Veterinaria na qual levo meu bulldog de 7 meses e tambem o criador no qual o adquiri (Canil 2 Marias) sempre foram muito enfáticos na nao utilização de peitoral nos cães desta raça por dois motivos:

      – Quando pequenos, o peitoral pode restringir o crescimento desta região e;
      – Depois de adultos, o uso deste tipo de coleira pode facilmente potencializar o efeito alavanca, fazendo com que, em um momento nosso distração, o cao possa nos “arrastar”, devido a grande forca aplicada.

      Sinceramente acredito que estes motivos sao plausíveis para a nao utilização de peitoral. Ou estaria enganado?

      Grato pelo esclarecimento.

      Abraços

      • Marcos disse:

        Oi Rafael tudo certo? Espero que esteja tudo bem!

        Bem vamos lá, eu acho que posso agregar um pouco da experiência que tive com a minha bull, abaixo parte da sua pergunta:

        – “… foram muito enfáticos na nao utilização de peitoral nos cães desta raça por dois motivos:

        – Quando pequenos, o peitoral pode restringir o crescimento desta região e;
        – Depois de adultos, o uso deste tipo de coleira pode facilmente potencializar o efeito alavanca, fazendo com que, em um momento nosso distração, o cao possa nos “arrastar”, devido a grande forca aplicada. …”

        Eu acredito que o bom senso é sempre a melhor das alternativas. As duas observações acima (ao meu ver) estão corretas, mas na minha “opinião pessoal” eu não vejo realmente problema em se utilizar uma coleira peitoral de tamanho adequado (larga o suficiente) em um Bull.

        Eu optei pela coleira peitoral pois minha bull em determinados momentos do passeio “vai para cima” de outros cães, pássaros, automóveis e ônibus “de forma súbita” e eu tenho medo de que a coleira de pescoço estoure.

        Eu utilizo 2 guias presas na coleira peitoral uma dessas presa por um desses “mini mosquetões” de rapel, pois já aconteceu de uma das guias estourar com esses “puxões súbitos” … desde então só passeio com a minha guia normal e a “de backup” … ;-)

        Bem a escolha final é sempre do proprietário … o que eu vejo às vezes nas ruas são proprietários despreparados guinchando Bulls com enforcador (Choke Collar), nestes casos eu procuro sempre chegar educadamente e avisar que este não é o meio correto de lidar com um Bulldog, o que eu quis salientar no meu post foi esta situação que infelizmente ocorre diariamente.

        Espero ter ajudado
        Muita sorte, saúde e paz
        Marcos

  3. Malu disse:

    Olá a todos !
    Carlão vai completar 3 anos em abril. Começamos com a ração indicada pelo criador – se não me engano era Proplan ( ele chegou com 60 dias ) até que depois de alguns meses ele começou a apresentar cólicas, dando umas “corridas ” repentinas pela casa e andava de orelhas baixas…Depois de observar muiiito e trocar a ração, a vet disse que ele tem alergia à proteína bovina ( !). A partir daí, ele só come a Hipoalergênica da Royal Cannin. Nunca mais teve dermatite e a flatulência acabou.
    A limpeza é feita diariamente e a mancha de lágrima sumiu totalmente !!!!! A região é limpa com algodão e soro fisiológico, depois de bem seca aplicamos talco Granado. Infelizmente, o rabinho é “embutido ” e precisa tb ser limpo para tirar excessos de pelo e oleosidade natural na região. Santo talco Granado …rs !
    Banhos só a cada 15 dias.
    Sempre me preocupei muiito com o piso e evitamos qualquer brincadeira em pisos lisos. Quanto aos passeios, ele vai na “marra”, mas vai…rs. Corre pelo apto, fugindo só de ver a coleira. Depois que está na rua, até que curte a caminhada…rs e não puxa a gente. Não usa a peitoral, não.
    As pessoas acham um “exagero ” todo o nosso cuidado com ele, mas acredito que se optamos por uma raça que exige certos cuidados e atenção, devemos fazer o nosso melhor ! Afinal, receber tanto carinho e docilidade é coisa pra bulldogueiro, só quem tem sabe disso.
    Adorei, como sempre, o post ! Obrigada por tantas orientações que só nos ajudam a melhorar a qualidade de vida dos nossos amados gordinhos.
    Abraços.

    • Obrigado Malu, que o seus cuidados como proprietária de um Bulldog sirvam de exemplo, parabéns!!!

    • Carolina Trivelli disse:

      Malu,

      o rabinho você também limpa com algodão e soro fisiológico e depois passa o talco Granado? E hipoglós, você usa? Para limpar as orelhas você usa algodão seco? Alguns veterinários me sugeriram limpar as rugas, rabo e orelha com lenço humidecido, o que você acha?

      Abraços!
      Carolina Trivelli.

      • Malu disse:

        Oi Carolina, somos apenas proprietarios tentando acertar e fazer o melhor . Qqer dúvida, é melhor consultar um veterinário .
        Estamos limpando o rabinho com gase seca e depois talco Granado tb com gase . Não usamos Hipoglós e nem lenço umedecido pq o Vet nos aconselhou a justamente não deixar essa área com umidade. Espero ter ajudado ! Abraços .

  4. Alessandro disse:

    ola boa tarde a todos acabei de adquirir uma gorduchinha sempre tive este sonho so agora concegui ter uma .
    Ainda nao peguei pois nao fez os 45 dias .
    Gostaria de receber sempre comentarios dicas Sobre qual e a melhor raçao para Bulldog que temos no mercados e como fazer a limpesa das ruguinhas se tem que colocar alguma pomada .
    Obrigado a todos .
    Detale estou em duvida dos nomes
    Rayca ou Fiona Se alguem poder me ajudar ..
    ATT

    • Carolina Trivelli disse:

      Olá Alessandro,

      eu tenho uma bull maravilhosa e pus o nome de Lunnah, mas Fiona é muito apropriado. Se eu a pegasse hoje colocaria este nome (se você viu o filme Shreck vai ver que o bull parece um ogro… rsrsrs… são pesados, desajeitados, mas são as criaturas mais doces que já vi). Desejo a você tudo de bom com a sua nova gordinha!!!

      Att,
      Carolina Trivelli.

  5. Carolina Trivelli disse:

    Oi…

    Tenho uma linda bulldog inglês de 1 ano e 3 meses… Ela enche minha vida de alegria… tem o temperamento e a energia perfeita para meu estilo de vida, mas sofro muito com os “probleminhas ” frequentes da raça! Ela já operou os dois olhos (prolapso da 3ª pálpebra), já teve 2 crises alérgicas e a bendita dermatite. Por isso, gostaria de todas as informações possíveis para evitar que ela sofra!

    Desde já, obrigada!

  6. Marina Torres disse:

    Olá!
    Gostaria de saber qual o melhor local para acomodar um filhote (vou buscá-lo com 50 dias). Além de não ter piso escorregadio, quais devem ser as características do espaço? Recomenda-se casinha para cães? Um filhote pode ficar na área externa da casa (varanda, quintal) ou é perigoso? Se ficar dentro de casa, depois terá dificuldade de se acostumar ao ambiente externo? Muito obrigada!

    • Marcos disse:

      Olá,

      Na minha opinião bulldogs são “indoor dogs”, ou seja, tendem a ter menos problemas de saúde quando dormem dentro de sua casa. Gostam e precisam tomar sol sempre que possível e sem exageros. Não devem tomar chuva e ficar expostos ao tempo, outras raças até “toleram” isto mas o bull não deve ficar em tais condições.

      No começo você deve ter muita atenção pois eles gostam de “roer” as coisas … portanto todo cuidado é pouco … principalmente com fios elétricos e objetos pequenos … De preferência alguém deve ficar “de olho” no seu filhote durante o dia se você trabalha fora.

      Quanto a casinha aquelas “caminhas abertas” são bastante adequadas, principalmente se tiverem o fundo destacável pois você poderá lavar sem maiores problemas.

      Lembre-se o bulldog apesar de parecer um touro é um cão delicado, não brinque com o cão após ele ter comido, espere pelo menos uns 40 minutos e supervisione sempre que deixar o filhote com as crianças.

      O bulldog é um cão muito diferente, adapta-se muito bem em pequenos espaços e você vai perceber que ele é BEM preguiçoso ….rsrsrs. O ideal é que logo que você pegue o filhote faça um checkup no veterinário para ver se está tudo certo e observe se ele está bebendo água e fazendo o famoso “cocô durinho”.

      Muita saúde, sorte e felicidades com o novo filhote !!!
      Com certeza valerá a pena !!!

      –marcos

  7. Laíssa Carvalhido disse:

    Meeeeuuu Deus!!!! Não sabia e nunca tinha lido sobre a questão do piso… Moro num apto com o piso todo de ceramica e meu bull chega em março…
    Oq eu faço?!? Ele só terá acesso a piso aspero a noite qdo eu leva-lo para passear…
    Ai meu Deus, minha principal preocupação era o calor aqui da minha cidade, mas agora com essa informação sobre o piso… Me ajuda gente..
    Abraços
    Laíssa

  8. sonia disse:

    O meu bull está com 3 anos …tem muitos problemas de pele , vive tomando itraconazol ou petisporim…dou só ração hipoalergênica … não sei mais oque fazer para ajudá-lo acabar com isso ou diminuir !!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>