Expectativa de vida. Quem é o culpado?

Foto: Dirk Boos

Ainda sobre a expectativa de vida de nossos Bulldogs, suas causas e possíveis prevenções, aproveito o assunto para registrar a grande importância do trabalho realizado pelo criador do qual será adquirido o filhote e novo membro da família.

Muito mais que reproduzir cães e gerar filhotes, o criador sério e verdadeiramente comprometido com a raça deve ter como pilar de seu trabalho a saúde dos cães que compõem o seu plantel, preocupação que merece ser sublinhada em se tratando da raça Bulldog, um cão com “anomalias” e “peculiaridades”, muitas delas na contramão daquilo que poderíamos considerar ideal quando pensamos em saúde e qualidade de vida de qualquer cão.

O Bulldog moderno – e isso, infelizmente, ainda é do conhecimento de poucos – é um cão que prima pelo temperamento dócil, pela saúde, pela elegância e harmonia de formas.

Porém, ainda vemos uma grande desinformação das pessoas e o uso indevido desse senso comum equivocado por parte de pretensos criadores preocupados exclusivamente com o comércio de filhotes.

Esse Bulldog, cujo “modelo” está ultrapassado, é um cão esteriotipado, com excesso de rugas e formas exageradas, e ainda se vê sendo criado e reproduzido como típico e fiel representante da raça.

Para que o internauta possa visualizar melhor, o Bulldog a que me refiro mais se assemelha a um filhote de Sharpei em termos de rugas no corpo e principalmente na cabeça. O tamanho do crânio está em desarmonia às demais partes do corpo. É “rebaixado”, com exagerada abertura de peito, e ostenta, no lugar do que deveria ser a linha elegante e suave de um topline, uma montanha russa que despenca dos quartos em direção à cernelha. Não tem pescoço, dando a impressão de que a cabeça está atarraxada ao corpo. Possui grande dificuldade respiratória, em constante ofegar, com “metros” de língua para fora. E, por fim, a trufa pequena e as narinas apertadas completam o quadro da dor de um a animal que sofre para viver.

Nem precisamos falar dos inúmeros problemas de saúde, inicialmente ocultos, que tais Bulldogs poderão desenvolver num futuro próximo, pois seus “criadores”, via de regra, não tiveram qualquer critério seletivo na escolha dos genitores.

Certamente estes falsos criadores são os principais CULPADOS pela baixa expectativa de vida ainda ostentada pela raça.

Por isso, não espere que o filhote levado para casa possua qualidades ou uma saúde melhor/diferente daquela herdada de seus pais.

Antes do ingrediente emoção, use uma boa dose de razão:

a) Jamais adquira seu Bulldog em feiras de filhotes, classificados, sites de venda de mercadorias ou através de qualquer outro meio onde o contato direto com o criador seja ocultado/dificultado;

b) Procure conhecer os cães, as instalações e o trabalho desenvolvido pelo criador antes de decidir onde comprar o seu filhote;

c) Fuja das barbadas, preços de ocasião, liquidações e quaisquer outras ofertas assemelhadas;

d) Pergunte, informe-se e tire todas suas dúvidas. Bons criadores farão questão de passar o máximo de informações sobre a raça e sobre o filhote que está sendo adquirido.

Estar informado e escolher um criador ético e responsável, antes de escolher o filhote, são as grandes armas com quais se poderá melhorar não apenas a longevidade da raça mas a qualidade de vida de nossos queridos Bulldogs.

giba-criadorcolaborador

Gilberto Medeiros

Colaborador do Bullblog e Criador de Bulldogs desde 2003

Canil Reserva do Rei

13 Responses to Expectativa de vida. Quem é o culpado?

  1. Naiana Perobelli disse:

    Perfeito Gilberto!!!

    Ainda acrescentaria mais uma dica para a hora de escolher o criador… O comprador deve estudar a raça, as particularidades, os cuidados especiais e encher o criador de perguntas… se o comprador souber mais coisas sobre a raça do que o criador…. sinal vermelho!

    Saber escolher criadores sérios e responsáveis é o principal passo para que a raça seja melhor e mais saudável. Comprar cães de criadores irresponsáveis que visam apenas o lucro é incentivar e apoiar a criação de cães doentes e ajudar a denegrir a raça.

    Gilberto, parabéns pelo seu trabalho como criador e também como colaborador aqui no Bullblog. Obrigada por dividir os seus conhecimentos com a gente!

    Abraços

  2. Luciana disse:

    Muito legal o artigo, Gilberto!!! Muitas pessoas deveriam se conscientizar de que não podem comprar animais por impulso e pretensos “criadores” deveriam ser responsáveis pelas vidas que têm nas mãos. Por isso que sou fã do trabalho de vocês!!!!

  3. Natasha disse:

    ótimo artigo Gilberto, parabéns! sonho com o dia em que cães somente poderão ser adquiridos diretamente com os criadores (e abrigos de adoção, é claro) e que estes sejam fiscalizados até para valorizar o trabalho sério de pessoas como vc. cães não são mercadoria pra ser exposta em vitrine ou feira, ou mesmo donos cruzando seus cães indiscriminadamente. quanto mais o futuro dono se informar sobre a origem do filhote mais chances de sucesso essa parceria pra vida toda – e que seja longa ;-)

  4. Ótima matéria, Gilberto.
    É importante passarmos aos futuros proprietários que o Bulldog de desenho animado em quase nada tem a ver com a realidade. O Bulldog correto é dócil, tranquilo, o do desenho é agressivo, malvado.
    O Bulldog correto tem uma morfologia em equilíbrio, o do desenho é exagerado, caricato.
    O Bulldog correto tem aprumos corretos, o do desenho pisa com a patas pra dentro ou pra fora. O Bulldog correto tem os caninos escondidos, o do desenho os tem sempre amostra. Enfim, uma série de coisas que parecem banais, mas que vão entrando no inconsciente coletivo. O Bulldog do desenho é bacana pq não existe. É uma caricatura da realidade e longe do que os criadores sérios buscam. Mas há criadores que por desconhecimento do padrão ou má fé, criam o Bulldog caricato, que se move como um “Dragão de Komodo”. É nossa missão ensinar que isso é errado. Não só pela estética duvidosa, mas pelos problemas físicos que gera. Daí voltamos ao tema inicial que é a longevidade sendo afetada. O Bulldog de excelente linhagem e vendido por um preço mais elevado, não é só um cão para exposições, mas sim um cão, que terá uma qualidade de vida muito melhor. Ou seja, mesmo quem busca um cão para companhia, não só pode, como DEVE buscar qualidade. caso contrário o prazer que é possuir um Bulldog pode virar pesadelo e evidentemente que ninguém quer isso.

    • Obrigado Carlos, como sempre pertinente e esclarecedor o teu comentário. Muitas das características do bulldog caricato, que por esquecimento haviam faltando no post, restaram completadas por tuas palavras.

    • Matheus disse:

      Vale lembrar que o bulldog dos desenhos não é o inglês, mas o americano, que é um cão de guarda. Muito dócil com a família, mas que pode ser bem agressivo com estranhos.

  5. Viviane Dubal disse:

    Muito importante teu post!!! Aqui na clinica recebemos inumeros bulls de feiras ou ‘liquidações’, com muitos problemas de saúde…o pessoal adquire achando que está fazendo um grande negócio. Sempre enfatizo que a compra deve ser feita de criadores! Ao longo dos anos tentamos desestimular a particulares fazerem do seu bull um negócio, pois muitos dos filhotes terminam em feiras…

  6. Érica disse:

    Olá, tenho uma buldogue e ela tem problemas respiratórios. O que posso fazer para deixar a vida dela melhor? Mais confortável? Exercícios? Quanto? Que tipo?

  7. charles kriunas disse:

    Exatamente assim , o meu charmoso SPIKE tinha muitas dificuldades respiratórias , vindo a falecer precocemente de edema de glote.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>