Demodex, parece mas não é…

O tema envolvendo o ácaro demodex canis na raça Bulldog é, na maioria das vezes, mal interpretado, ocasionando diagnósticos equivocados, dores de cabeça e atrito entre criadores e proprietários.

Antes de qualquer coisa, é importante registrar que o presente artigo é baseado principalmente na minha experiência como criador e se refere especificamente à ocorrência do demodex canis na raça Bulldog.
De início, vale registrar que a sarna demodécica apresenta duas formas distintas, a juvenil localizada e a adulta generalizada.
A maioria dos casos de diagnóstico errôneo e precipitado refere-se à forma juvenil e localizada. Esse será o objeto do presente texto.
Um belo dia, o proprietário de um jovem bulldog percebe algumas pequenas falhas redondas na pelagem do seu cão. Ao levá-lo no veterinário, recebe a sentença: “seu cão está com SARNA DEMODÉCICA e precisa ser CASTRADO!” Automaticamente, o proprietário coloca-se na posição de vítima de um criador irresponsável e mau-caráter!
O resultado desse diagnóstico causará stress ao criador, ao proprietário e, principalmente, ao próprio cão, o qual passará a ser visto por seu dono como sinônimo de tristeza e preocupação…
O aspecto primordial da sarna juvenil localizada é possuir uma relação íntima e direta com o sistema imunológico do cão que ainda é jovem, ou seja, menos de 12 meses. Nessa fase da vida, a imunidade do cão estará em franca construção e, portanto, apresentará brechas que o tornarão suscetível a este e outros problemas de saúde próprios da idade (otites, resfriados, pneumonias, giárdia, doenças virais oportunistas, entre outros).
Também caracterizadora da forma juvenil localizada, estão o formato das lesões e sua extensão, sendo comum o aparecimento de uma a cinco falhas redondas no pêlo, geralmente situadas nas regiões da cabeça, pescoço e membros anteriores.
Importante registrar que o demodex canis é um habitante natural da pele de todos os cães do planeta que apresentem sinais clínicos da doença ou não! Então, num exame de raspado cutâneo, em qualquer cão (seja um cão de rua, seja um cão de madame ou cão de raça, não importando a raça), lá estará presente o ácaro, fazendo parte da microbiota, da fauna cutânea, ao lado de outros microorganismos!
Morador da pele, o demodex é extremamente oportunista, aproveitando-se de inúmeras situações para reproduzir-se, consumir o pêlo e com isso causar falhas.
A fase jovem do bulldog e as inúmeras oscilações que o seu sistema imunológico poderá sofrer até a sua completa formação são, da mesma forma, super aproveitadas pelo demodex!
Entre os cães jovens, vê-se uma maior incidência em fêmeas justamente no período que antecede o primeiro cio, quando o organismo sofre uma descarga hormonal muito grande. Nessa ocasião, oportunamente o ácaro poderá se manifestar através de pequenas e localizadas lesões na pele.
O mesmo se pode dizer dos machos que passam pela fase de puberdade. Mesmo sem ter um evento marcante como o cio das fêmeas, no macho há também uma “explosão hormonal”, pois, também nesta idade (de 9 a 12 meses), o cão torna-se apto a reproduzir (maturidade sexual).
De todas as possíveis causas, a imunodepressão causada pelo manejo equivocado é a grande responsável pelo surgimento dos sinais clínicos da sarna demodécica juvenil e localizada na raça Bulldog.
O exemplo clássico é o filhote que sai do canil onde tem uma qualidade de vida ideal (alimenta-se corretamente, dorme, toma sol, faz atividade física, tem a companhia dos irmãos de ninhada e atenção do criador) e vai para sua nova casa. Lá ele passa o dia só, trancado no apartamento, esperando pela chegada de seus donos ao final do dia.
Esse é um fato infelizmente corriqueiro, pois muitos compram o filhote por impulso, sem pesar a responsabilidade e o trabalho demandado. Também nesses casos há a indiscutível irresponsabilidade do “criador” que, ao vender esse filhote e para não atrapalhar o negócio, pinta um quadro extremamente colorido e surreal, onde o filhote é quase auto-suficiente, que não dará qualquer tipo de trabalho, ao contrário, só alegrias ao feliz proprietário. O Bulldog é uma raça de companhia e que gosta e precisa do contato humano para viver feliz e sem stress.
Despreparo, falta de tempo e espaço adequado são as principais dificuldades enfrentadas por quem está pensando em ter um cão de companhia. Ter um pet nestas condições será sempre sinônimo de problemas, que podem se manifestar tanto na via comportamental quanto por meio de inúmeras enfermidades, como é o caso da sarna demodécica juvenil localizada!
Entre outras causas de imunossupressão que podem acarretar um quadro de demodécica estão: desnutrição, traumatismos, ansiedade de separação, fadiga crônica, estro, parto, lactação, parasitismo, crescimento rápido, vacinações, temperaturas ambientais adversas e doenças debilitantes.
Também considerado manejo equivocado, estão os banhos freqüentes a que muitos cães são submetidos… Muitos vão à pet shop uma vez por semana para banho, o que é um verdadeiro absurdo e um atentado à saúde da pele de qualquer cão!
Cumpre lembrar que não estamos diante de uma raça rústica. Ao contrário, o Bulldog é exigente do ponto de vista nutricional e de cuidados!
A forma juvenil e localizada da doença é considerada benigna e, na grande maioria das vezes, não requer tratamento (auto-limitante), havendo cura espontânea, já que a resposta imunológica do cão será capaz de controlar naturalmente a população de ácaros. Isso ocorrerá num período de 2 a 3 meses.
Em 10% dos casos a sarna demodécica juvenil localizada poderá evoluir para a forma generalizada, cujo enfoque, por óbvio, será outro e totalmente diverso.
No caso da forma adulta e generalizada, estaremos sim diante de uma doença grave, com recidiva e de difícil e longo tratamento e que, invariavelmente, irá acompanhar o cão por toda a sua vida. Somente na forma generalizada da doença a castração deve ser indicada como forma de evitar oscilações hormonais e possível reaparecimento dos sintomas clínicos da doença.
Por isso, em se tratando de um cão jovem, com lesões localizadas, jamais se pode adotar o mesmo diagnóstico e protocolo que se teria diante da verdadeira e temida sarna demodécica!
Nessa hora são necessários prudência e bom senso, rever o manejo do cão, questionar-se sobre a qualidade de vida ofertada e aguardar pela resposta imunológica antes de qualquer decisão precipitada, pois aquilo que parece muitas vezes não é!
Para concluir, devemos dizer que muitos cães, incluindo Bulldogs, vêm sendo diagnosticados erroneamente com a sarna demodécica e a partir daí submetidos a tratamentos desnecessários e onerosos. Como bem diz o veterinário Dr. Ronaldo Lucas, uma das maiores autoridades em dermatologia canina no País: “Não é porque você tomou um porre na vida, que pode ser rotulado de alcoólatra.”
Gilberto Medeiros – http://www.reservadorei.com.br

Conheça os vencedores da 11ª Nacional Abrabull

Vencedores 11ª Nacional GCH CH ITSA BRIX (BIS) e TYCOR TUCKY MALYBULL TIFFANY (BOS)

Vencedores 11ª Nacional GCH CH ITSA BRIX (BIS) e TYCOR TUCKY MALYBULL TIFFANY (BOS)

 

Vencedores da 15ª Copa Paulista BR TUCKY MALYBULL JOHN JOHN (BIS) e BULLPRIME LITTLE RED RIDING HOOD (BOS)

Vencedores da 15ª Copa Paulista BR TUCKY MALYBULL JOHN JOHN (BIS) e BULLPRIME LITTLE RED RIDING HOOD (BOS)

 

Vencedores 4ª Copa de Criação Nacional FORTLAND BULLDOGS PRIVATE DANCER (BIS) e BR TUCKY MALYBULL JOHN JOHN (BOS)

Vencedores 4ª Copa de Criação Nacional FORTLAND BULLDOGS PRIVATE DANCER (BIS) e BR TUCKY MALYBULL JOHN JOHN (BOS)

 

Vencedores 16ª Copa Paulista GCH CH ITSA BRIX (BIS) CAPPELLI BULLS SHE LIVE IN MY (BOS)

Vencedores 16ª Copa Paulista GCH CH ITSA BRIX (BIS) CAPPELLI BULLS SHE LIVE IN MY (BOS)

Oto-hematoma

Imagem

Oi, pessoal! Karen quem escreve.

Minha bull de nove anos apareceu, uns dois meses atrás, com um oto-hematoma na orelha direita. Fiquei com medo, mas operei. Foi tudo bem na cirúrgia, mas depois de uns dias começou a inchar de novo… desde lá que ainda não consegui resolver a orelha dela. A veterinária fez uma série de coisas, drenou, mudou as medicações e nada. Gastei uma fortuna. Até que semana passada levei em outra veterinária, e agora estou tentando outro tratamento. O problema ainda não está resolvido, mas escreve aqui minha experiência para compartilhar com vocês como é importante prevenir um problema como o oto-hematoma – causado geralmente por uma otite mal tratada.

Leia mais aqui e entenda este diagnóstico.

20 DICAS BÁSICAS PARA O FUTURO PROPRIETÁRIO DE UM BULLDOG

Recebemos esse belo texto do amigo e colaborador do Bullblog, Carlos Albuquerque. Com certeza é uma leitura obrigatória para quem está pensando em adquirir um Bulldog.

1-A escolha de um filhote é talvez o momento mais importante, pois a partir dali será formado um vínculo de amizade com seu esperado Bulldog. Procure Canis associados a ABRABULL e tente conter a ansiedade se em determinado momento não tiver disponível o filhote que você deseja. É fundamental que ele seja adquirido em um Canil sério e comprometido com a Raça. É muito comum vermos em redes sociais ou sites, pessoas sem o menor conhecimento sobre o Bulldog vendendo filhotes, que são frutos de cruzamentos envolvendo cães fora do padrão da Raça. Fuja destas ciladas!

 2-Um Bulldog fruto de cães fora do padrão da Raça, pode apresentar problemas de:

a)      temperamento (muito tímido ou muito agitado, e até agressivo),

b)      saúde (problemas de toda sorte que irão representar seguidas idas ao veterinário e sofrimento para o animal doente, talvez por toda sua vida)

c)      falta de tipicidade (filhotes que eram bonitinhos até os 3 meses de idade crescem e viram cães atípicos que nada se parecem com um Bulldog de verdade (tornando-se pernaltas, prognatas em excesso, orelhas em tulipa, etc).

Fuja de criadores que não selecionam seus cães e que fazem cruzamentos sem um mínimo de investimento em estrutura do canil e no plantel de reprodutores. Um anúncio na internet que só mostra “lindos filhotinhos com lacinhos e dentro de uma cestinha” podem cativar o futuro proprietário, mas escondem muitas vezes Canis que não tem preocupação com a qualidade de seus cães. São engodos que servem para atrair o cliente que age por impulso.

Filhotes serão sempre bonitinhos, tanto no Canil sério quanto no criador de fundo de quintal. Cabe ao futuro proprietário, pesquisar sobre a seriedade e idoneidade do Canil e sobre o padrão da raça. É comum as pessoas se preocuparem só com o preço do filhote. Este é um grande erro, pois no Bulldog o barato sai caro. Se você não dispõe de uma quantia pedida pelos melhores Canis, aguarde ou negocie um parcelamento. Bulldog será sempre um cão caro. No Bulldog não existe “bom, bonito e barato”. Se o futuro proprietário não tem condições de pagar o preço de um bom exemplar, muito provavelmente não terá condições de manter um Bulldog. A raça exige ração de primeira (as chamadas linhas Super-Premium) e um Bulldog bem cuidado custa sim um bom montante mensal. Se sua preocupação básica é o valor de um filhote e o custo mensal que terá com ele, o ideal talvez seja aguardar outro momento ou escolher outra raça.

 

3-Cor e sexo de um filhote são questões de gosto pessoal na hora de escolher um Bulldog. Não há o cão ideal e sim uma empatia entre você e seu futuro Bulldog. Sugerimos que não feche as portas para nenhuma opção, pois mais importante que a cor e sexo de seu Bulldog, sem sombra de dúvidas, é a origem dele. Um exemplo: muitas pessoas, por desconhecimento, não querem Bulldogs tigrados, mas esta é a marcação da maioria dos cães campeões nos Estados Unidos e na Europa e talvez a preferida pelos criadores. Ou seja, tente guiar sua escolha pela qualidade do filhote e deixe sexo e cor em segundo plano.

Idade também não deve ser um fator preponderante. Filhotes começam a ser vendidos e entregues aos novos proprietários a partir de 2 meses de idade, mas isso não quer dizer que um filhote de 4 ou 6 meses não será um bom companheiro. Mais uma vez, a dica é comprar um filhote de um Canil sério e que selecione a raça. Mais vale um Bulldog um pouco mais velho, de origem conhecida, do que um filhote gorducho de 50 dias, de um Canil “nebuloso” em termos de confiabilidade. O filhote que hoje tem 50 dias e parece muito fofo e saudável, daqui há pouco tempo terá 6 meses e aí será tarde demais para arrependimentos.

Visite os criadores que lhe passaram maior confiança e veja a ninhada e os pais, ao vivo, para fazer uma melhor escolha sobre o filhote. Se você pensa em comprar um Bulldog para “lá na frente” quando for adulto, poder cruzá-lo e ter filhotinhos, seja para ganhar dinheiro ou para “ter netinhos”, esqueça. Criar Bulldogs é uma coisa muito séria e que exige muito tempo, conhecimento, trabalho, dinheiro e dedicação. Não é uma tarefa para leigos. Por isso um bom Bulldog sempre custará caro, em relação a maioria das raças. Bulldog nunca será um investimento. Se você quer ganhar dinheiro, aplique o dinheiro ou jogue na loteria.

Digamos, que agora você já pesquisou bastante pela qualidade e não pelo preço, sexo, cor ou idade e adquiriu seu primeiro Bulldog de forma consciente: Parabéns! Você fez tudo certo e tem tudo para ter um grande amigo ao seu lado, para desfrutar muitos momentos de alegria.

Veja as dicas relacionadas ao dia-a-dia de quem tem um Bulldog:

 4-Bulldog e calor forte não combinam. Por ser uma raça braquicefálica, ou seja, de focinho curto, passeios só pela manhã bem cedo ou no fim da tarde e a noite. O cuidado com o calor é certamente o cuidado principal que devemos ter com o Bulldog.

 5-Sempre deixe seu Bulldog com água fresca a disposição e em local arejado, com opção de sombra. Em apartamentos, observe se onde ele fica (varanda por exemplo) não vai bater o “sol da tarde”, que pode ser fatal. Bulldogs não são cães frágeis, mas se tem uma coisa que eles não suportam é calor forte!

 6-Em cidades mais quentes ou no verão, ventilador e ar-condicionado são itens essenciais, caso seu apartamento ou casa, não seja bem arejados ou não bata nenhum ventinho é fundamental ter no mínimo um ventilador ligado refrescando o ambiente onde está seu Bulldog.

 7-Passeios devem ser curtos e sempre fique atento a respiração do seu Bulldog. Como um ser humano, o Bulldog até pode ir se condicionando (ganhando resistência) para caminhar maiores distâncias, mas mesmo o Bulldog mais atlético do mundo, sempre deverá ser monitorado. Se a respiração ficar muito forte (muito ofegante) pare imediatamente e se possível refresque-o com água para beber e/ou molhar seu corpo. Se estiver muito calor, sempre todo cuidado é pouco e o passeio deve ser bem curto, só o suficiente para ele fazer xixi e cocô. Horários a partir de 11h da manhã são totalmente contra-indicados.

 8-Se o Bulldog ficar muito ofegante, pode ser uma boa ideia parar e esperar ele recuperar-se completamente ou então retornar imediatamente para casa carregando-o no seu colo. Sim, o Bulldog é pesado, mas a vida dele pode estar literalmente em suas mãos. Passeio de Bulldog deve girar em torno de 10 a 20 minutinhos (dependendo da idade, estado físico do animal e principalmente, da temperatura do dia). Fatores como stress e muito movimento de pessoas e carros, pode contribuir com o stress do Bulldog, só piorando as coisas.

 9-Se o seu Bulldog vai passear de carro, acostume-o desde filhote. E claro, com ar-condiconado ligado sempre. Esta dica de acostumar-se desde cedo, vale para quase tudo que um Bulldog poderá vivenciar de “diferente” ao longo da vida, não só andar de carro. Andar de elevador, entrar numa caixa de transporte, subir e descer escadas, ser saudado por pessoas estranhas, etc. Todas estas experiências devem ser realizadas com certa frequência, desde filhote até a idade adulta, assim aumentamos as chances de criar um Bulldog bem socializado, sem medos, sem traumas e acostumado com as mais diversas situações do dia-a-dia. O contato com pessoas e outros cães também é algo muito saudável para seu Bulldog. Cães muito solitários e com pouco contato com humanos, pode se tornar muito tímidos, ou pior, agressivos.

 10-Bulldogs por natureza são extremamente dóceis e brincalhões, mas alguns filhotes que chamamos de “alfa” (temperamento mais dominante) devem ser educados com firmeza desde cedo. Aliás todo filhote, de qualquer raça, deve saber que “não” significa “não”. Seja firme ao ensinar seu filhote. Assim como na educação de crianças, quem ama dá limites. Um filhote que só é paparicado e que não sabe seus limites, pode se tornar (igual a uma criança humana) um tirano. E se for um Bulldog alfa, pode se achar o dono do pedaço quando for jovem ou adulto. Bulldogs, como já dissemos são muito dóceis e brincalhões, e um pouco teimosos, mas já imaginaram um cão adulto, muito forte, de 25kg que seja desobediente? Ensine desde o começo que você é quem manda. Não precisa usar força, e muito menos bater! Mas seja firme na educação do seu Bulldog e mostre desde o primeiro dia que você é “o líder da matilha/família”. 

11-Desde filhote até a idade adulta, a vasilha de ração só deve ficar disponível por certo tempo. Uns 15 minutos, mais ou menos. Se o cão não comer tudo, retire a vasilha, para que ele se acostume com horários. Isso também faz parte da educação dele. Se a vasilha permanecer lá o dia todo, além de facilitar o aparecimento de formigas, seu Bulldog “criará” seus próprios horários, e como vimos no item anterior, sua função primordial como dono, é educá-lo e ensinar as regras da casa. Você manda e ele obedece. Não o contrário. 

12-Todo Bulldog adora carinho, mas sua relação com ele não deve se resumir exclusivamente a isso. Para que o filhote ou adulto o respeite como “líder da matilha”, mostre sempre que sua “função” não é apenas dar carinho. Bulldogs vão curtir brincadeiras com bolinhas, passeios ou simplesmente assistir TV ao seu lado, tanto quanto um afago neles. Dose cada uma destas atividades, para que ele não veja os moradores da casa, como única e exclusivamente “fornecedores de carinho”. Como na educação de uma criança, a chave é diversificar e há hora pra tudo. Como já falamos antes, qualquer raça de cão que seja muito mimado, e criado sem regras, pode tornar-se um tirano, quando jovem e adulto.  Aí será muito mais difícil corrigi-lo. Todo cão adora um líder, então seja o líder dele antes que ele ache que o dono é um “banana” e que ele é que deve assumir a posição de “reizinho do lar”.

 13-Num simples passeio pela rua, você já demonstra seu comando sobre seu Bulldog. Lembre-se que você é que está segurando a ponta da guia. Você vai determinar quando parar e andar e onde ele pode fazer xixi (por exemplo, você permite ele fazer xixi em alguns postes, mas não em todo poste ou hidrante que ele passar).

Observamos muitas pessoas que são literalmente puxadas pelos seus cães, num passeio na rua. Isso é errado! Você está no comando. Uma guia do tipo “enforcador” normalmente é a mais indicada para controlar bem um Bulldog. Nove entre dez criadores usam este tipo de guia. Já as colerias com peitorais ou daquelas que esticam, dificultam seu controle sobre o animal, ainda mais se considerarmos a força de um Bulldog adulto. Com o enforcador, o passeio será muito mais tranquilo e sem representar qualquer dor ao cão. Se ele puxar muito, sentirá uma leve pressão e vai parar imediatamente de puxar. Aquelas coleiras de couro, cheias de pinos, podem ser bonitas e parecem com as de desenho animado, mas tem pouco efeito prático. Lembre-se que se o cão for educado e submisso ao dono, até um fio de barbante serviria como guia. Não adiante medir forças com um Bulldog, ele tem que obedecer ao dono e outros membros da casa, porquê assim foi educado. Os Bulldogs que participam de exposições obedecem a seus donos e condutores (chamados de “handlers”) e as guias usadas nestes eventos são bem finas, ou seja, mais uma vez, não é preciso coleiras e guias reforçadas, desde que você seja o condutor do passeio e não o cão.

 14-Oitenta por cento dos Bulldogs, hoje em dia, vivem em apartamentos, por tanto muita atenção ao piso liso (porcelanatos, cerâmicas, etc). São pisos bons para limpeza mas péssimos para os aprumos de seu Bulldog. Especialmente nos primeiros meses de vida, quando a estrutura óssea do Bulldog está em formação e o crescimento do Bulldog é muito rápido! Poucas raças ganham tanto peso e crescem tanto quanto o Bulldog até um ano de idade. O ideal é manter seu filhote num peso controlado, nem muito magro (claro) e nem muito gordo. Sobrepeso no Bulldog e um piso liso são inimigos das articulações dele e podem causar um cão adulto com problemas ortopédicos. Se possível o Bulldog deve passar a maior parte do dia em pisos não escorregadios.

 15-Varandas normalmente possuem pisos mais ásperos e por isso são boas opções para seu Bulldog passarem a maior parte do tempo. Esta é uma raça que não exige grandes espaços, desde que tenha seus 2 ou 3 passeios, na rua, por dia. As vezes o proprietário pensa que deixar o seu cão na varanda é uma tortura ou “confinamento” mas se esta varanda tiver um tamanho razoável, e piso mais áspero que do interior do apartamento, pode ser uma boa para a saúde dele. Bulldogs são talvez os cães que mais tempo dormem durante o dia, então esta pode ser uma boa opção, lembrando-se claro do que já falamos sobre água fresca/sombra/locais arejados X calor/stress/sol da tarde. 

16-Áreas de serviço e cozinhas, também são boas opções para quem quer proteger móveis e tapetes do apartamento. Filhotes em todas as raças passam por fases destrutivas. Você pode até dar sorte de ter um Bulldog que pouco morda as coisas ou até não morda nada, mas via de regra isso deverá acontecer, especialmente quando ele passar pela troca de dentes (até cerca de 5 meses). E claro, um cãozinho não sabe a diferença entre um móvel barato e um caro e antigo que está há anos na família. Na dúvida fique de olho e só deixe ele perto destes móveis e tapetes caros, quando tiver alguém por perto, supervisionando, até mesmo para ensiná-lo (como já falamos antes) com um firme: NÃO!

 17-Hoje em dia a maioria das pessoas trabalha fora então é claro que seu Bulldog precisará de brinquedos e distrações para as horas que passará longe de você. Se tiver alguém na casa ou apartamento, uma empregada por exemplo, já será melhor do que ninguém. Muitos nos perguntam se um Bulldog pode ficar horas sem a presença dos donos. A resposta é sim, eles podem e acabam se acostumando, mas sempre será melhor que tenha uma pessoa por perto ou então que o tempo que fique sozinho não seja muito longo, até mesmo para que seja limpo algum xixi ou cocô, evitando que o ambiente fique sujo por muito tempo. Bulldogs não são cães que latem muito, e esta característica o tornam muito bem vindos em prédios e condomínios, mas não é porquê eles quase não latem, que não gostariam de ter alguém por perto. Agora, se você viaja muito ou passa o dia todo fora, o Bulldog talvez não seja a raça ideal para você. O Bulldog é uma raça de companhia, e claro, gosta da presença de seres humanos.

 18-Além de ser silencioso, outro fator que faz do Bulldog um cão excelente para apartamentos é o fato de serem cães limpos. Se sua opção for ter o Bulldog que fique a maior parte do tempo numa varanda (como já discutimos antes) ele evitará ao máximo fazer xixi e cocô no local onde fica e se alimenta. Mas para que estes acidentes não ocorram, é óbvio que deve se criar uma rotina de passeios, no mínimo de manhã e a noite (o ideal seria um terceiro passeio, no meio da tarde). E Bulldogs adoram rotinas e horários. Em geral após comer, seu cão provavelmente vai querer “ir ao banheiro”, por isso pode se criar uma rotina de passeios e a tendência é que seu Bulldog só vá fazer xixi e cocô na rua. Como já falamos antes, nos dias atuais (em que todos andamos com pressa e com pouco tempo para executar tantas tarefas diárias), outra grande vantagem do Bulldog é que os passeios são curtos e eles mesmos vão te olhar, em determinado momento, com aquela carinha de “vamos voltar pra casa?”.

 19-O criador sério será o primeiro a solicitar que mantenha sempre contato e dando notícias do seu filhote, até o resto da vida dele. Se surgirem dúvidas (e elas vão surgir) sempre entre em contato com o criador, antes mesmo de ir ao veterinário, a menos que seja uma emergência em que a vida de seu Bulldog esteja em risco. A experiência de um criador pode ajudar a solucionar rapidamente problemas que você considerava dificílimos de resolver.

 20-Uma forma rápida de comunicação entre o proprietário e o criador é por e-mail e mandar alguma foto atual do seu filhote, pode ajudar o criador a orientá-lo se o crescimento de seu cão está dentro da normalidade. Tarefa esta que nem sempre os veterinários estão acostumados, por se tratar uma raça ainda não muito popular no Brasil. Há muitos profissionais excelentes, mas infelizmente há também muitos sem experiência com a raça. Veja se o criador de onde você comprou seu Bulldog, pode lhe orientar quando precisar de uma ajuda mais específica, como a indicação de um veterinário especializado em: ortopedia, dermatologia ou oftalmologista.

 Considerações finais:

Ter um Bulldog é uma experiência fascinante e que compensa todo trabalho descrito nestes 20 itens, mas é preciso amar muito esta raça e ter certeza que é a raça que você quer. Se você tem outras dúvidas que não foram abordadas aqui (e com certeza existirão) não hesite em conversar com os criadores associados a ABRABULL. Eles terão prazer em falar sobre a raça e suas peculiaridades, ajudando-o a esclarecer mais detalhes sobre o Bulldog. Somos apaixonados pelo Bulldog, e sempre é uma grande satisfação sabermos que um novo Bulldoguinho está indo para um novo lar, onde será amado, muito bem educado e cuidado. Informe-se sempre, e procure ajuda de pessoas realmente credenciadas a falar sobre esta raça. Esta é a melhor maneira de mostrar seu amor ao Bulldog.

 Carlos Albuquerque

JAVARY BULLDOGS

http://www.javary.com.br

(21) 7860-6160

Vem aí a 10ª edição do maior Show da Raça Bulldog no Brasil!!!

664370_2604542690685_1221945296_o

A Vitória de Vittorio!!!

VITTORIO Amigos, esse bulldoguinho das fotos se chama Vittorio, nome dado por nós da clínica a este garoto tão corajoso. A história dele começou há dois meses quando foi resgatado por uma protetora muito querida chamada Alessandra aqui do sul. Foi encontrado em uma cidade da grande Porto Alegre, num dia de muita chuva e frio, estava em um terreno baldio repleto de lama, procurando um lugarzinho para se esconder… Não sabemos como ele foi parar ali e também desconhecemos sua origem. Dois dias depois fiquei sabendo do resgate e entrei em contato com a protetora que pronta e gentilmente me passou a guarda e os cuidados com o gordinho. Nesse meio tempo, já tinha recebido toda a assistência e inclusive seu tratamento já havia iniciado. Vittorio no dia que chegou durante o primeiro banho Vittorio ao chegar à clínica há 2 meses Aqui na clínica realizamos mais alguns exames que confirmaram os probleminhas do Vittorio: demodicose, anemia grave, infecção generalizada, hipoproteinemia, cherry eye em ambos os olhos e úlceras de córnea profundas. Recebemos doações de todo o povo bulldogueiro aqui do sul e inclusive de outros estados, assim tivemos ajuda e apoio em todas as etapas da recuperação. Acreditamos que ele tenha menos de um ano de idade a julgar pelos dentinhos e demais parâmetros. Começamos então a reabilitação desse fofo: medicação diariamente, banhos frequentes, ração especial, suplementos alimentares, muito amor, carinho e alimento. Ao chegar pesava 14,7kg, e logo pulou para os 18kg e começou a latir e brincar, já que no começo só comia e dormia. Logo que foi possível passou pela cirurgia para resolução do cherry eye e castração. Depois disso foi para 20kg e logo estacionou nos 21kg. No momento está plenamente recuperado com exames excelentes, a anemia e a infecção cederam rapidamente com a medicação, apenas a pele que ainda esta em recuperação, pois os pelinhos levam um tempo para crescer. Mas acreditamos que nos próximos 2 meses já estará com pelos por todo o corpo. Acabamos descobrindo um Vittorio encantador, que se rebola e faz as paradinhas pra brincar, como todos os outros bulls. Quem tem bull sabe bem como é, hehe. No seu primeiro passeio depois da recuperação, no encontro da Bulldogada do Sul Vittorio na sua caminha com os brinquedos. Também conferimos se o gordo não tinha chip, como não encontramos nenhum providenciamos sua chipagem. Ele ficará na clínica até a metade de dezembro, quando o tratamento estará perto do final. Já temos uma família escolhida para a adoção que o quis desde o início quando estava magrinho e sem pelinhos. Provavelmente nosso gordinho terá uma vida linda depois da recuperação ao lado de sua nova família. E nós aqui da clínica iremos sentir muitas saudades do nosso fofo.

298614_386628928077021_299188748_n65327_409461075793806_1770423107_nbanner_pro_cane
Dra. Viviane Dubal – CRMV/RS 8844

Formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e proprietária da Clinica Veterinária Saúde Animal em Porto Alegre. Contato: vivianesd@bol.com.br

Uma Fêmea é a grande vencedora do BOY 2012!!!

Uma das mais importantes e tradicionais exposições da raça, o Bulldog Of The Year (B.O.Y), realizada pelo The Bulldog Club Incorporated (http://www.bulldog-inc.com/,) no dia 25 de novembro de 2012, no ginásio de esportes da pequena cidade de Luton-UK, teve como vencedora e grande estrela da festa a fêmea de nome Celticpride Dior at Crofthorn  (Canil Celticpride – UK). As demais colocações foram: BOY BOS Ch. Sealaville He´s Ashley (Canil Sealaville), BOY RES DOG Tryfan Copper Dream (Canil Tryfan) e BOY RES BITCH Ocobo Patsys Choice (Canil Ocobo). Os árbitros responsáveis pelo julgamento dessa edição foram Lynn Manns (Canil Lynmans), Les Aspin (Canil Scarthwaite) e Peter Robson (Canil Chappark).

 

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 235 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: