Um bulldog bebê e fiquei apaixonada…

Olá, bom dia, gostaria de ganhar o adesivo, por isso vou contar minha história de amor com a Lua!

Vi um vídeo na internet de um bulldog bebê e fiquei apaixonada, desde então comecei a querer um filhotinho, falei com meu marido, vimos os preços, fizemos as contas.

Fiquei decepcionada pois aqui em Bauru, onde moro, não achei nenhum, tentei nas cidades próximas mas o preço estava exorbitante… fiquei muito triste e quase, quase desisti.

Um belo dia entrei no face e vi uma postagem de agradecimento de um rapaz pela cesária da buldogue, que os filhotes estavam lindos e saudáveis, pensei, opa!!!!!

Imediatamente entrei em contato com ele, combinamos tudo e dentro de 45 dias eu poderia buscar a minha menina.

Esperei ansiosa, contei nos dedos, e no dia marcado fui para Ribeirão Preto…

Quando eu vi a minha pequena, gordinha, se rebolando toda pra mim, eu só pude beijar muitoooooo, foi uma das melhores coisas que eu já senti!

Ela dormiu a viagem toda e quando chegou em casa, correu pelo quintal, cheirou tudo e fez uma festa.

Desde então, nossa vida em casa é uma festa, ela é arteira, adora visitas e as crianças da vizinhança chegam a pedir para brincar com ela.

Dorme dentro de casa, é cheia de mimos, tanto que quando eu saio, ela fica vai para casa da vó rsrs

Enfim, já não sei mais viver sem ela!!!!!!

Obrigada!!! Espero meu adesivo!!!!!

Fabiana Ximenez Scarparo

Bulldog Inglês, uma paixão pra toda vida…

Sempre tive cães quando criança, onde meu sonho profissional era ser veterinária para, além de gostar, poder cuidar dos animais. Mas a gente cresce, a vida muda, os projetos profissionais se transforam, a gente troca a casa pelo apartamento e alguns hábitos da infância vão se perdendo.

Em 2005, cursando a faculdade de administração (sim, administração e não veterinária..hehe!), peguei carona com um colega até um shopping para fazer uma compra rápida, eis que, quando entro no shopping dou de cara com um bulldog fêmea sentada na gaiola de uma pet shop, com aquela cara mais linda do mundo que só um bulldog é capaz de ter. Brincando com uma bolinha ela me olhou pelo vidro e me ofereceu a bola…pronto! Amor à primeira vista!

Cheguei em casa e pesquisei todos os sites possíveis e imagináveis atrás de informações sobre a raça, tinha consciência que comprar um bull de uma pet shop era arriscado, mas meu coração já tinha dona. Voltei ao shopping todos os dias daquela semana e, ela continuava lá…linda e parecia me esperar, saber o horário que eu chegava, até o dia que a vendedora me olhou, lá na loja pela 10º vez na semana e disse: “tu quer pegar ela um poquinho?” Peguei, amei e nunca mais larguei. Negociei a compra imediatamente. No dia seguinte voltei à loja com todas as minhas economias e ela estava lá me esperando, balançando o rabinho cotoco e com um laço rosa enorme na cabeça. E assim, a 9 anos a Mel chegou, trazendo uma felicidade infinita pra minha vida. Por causa dela criei grandes amizades, conheci pessoas fantásticas, aprendi sobre a raça e suas peculiaridades e mais do que isso, me tornei “mãe” de uma grande família que mefaz muito feliz, sim, porque depois da Mel veio o Ruffus (meu neto), o Khallyd (uma grata adoção) – um cão com um temperamento fantástico, amigo e, no ano passado realizei o sonho de ter um bull de um criador que admiro demais e acompanho há muito tempo…a Olívia veio completar minha vida, minha família, meu coração e me trazer muitas risadas com seu jeito alegre de ser.

E para finalizar minha história, cito a tão conhecida frase que melhor não pode definir um dono de bulldog: “Uma vida nunca será plena se não se teve um bulldog”.

Grande abraço!

Gabriela Lírio

Uma bulldog chamada Lucy

Boa noite

Meu nome é Elaine e sou mãe de uma bulldog chamada Lucy.

Ela tem 2 anos e é a louquinha da casa. Não gosta de tirar foto…toda vez que tentamos ela sai correndo e latindo.

Se assistimos um jogo e vamos comemorar ou reclamar de um gol sofrido ou feito, ela sai correndo e latindo! Você imagina como ela ficou na copa!!

Se alguém encosta a porta do meu quarto, ela entra com tudo empurrando a porta como se dissesse: “O que vocês estão fazendo no meu quarto?”.

Ela só sabe que estamos falando com ela se à tocarmos. Ela é surda e por isso nunca posso soltá-la na hora do passeio. A vantagem é que no fim do ano, nos fogos de artificio ela nem liga. Quando ando com ela sempre escuto algo como: “Nossa, você está passeando com cachorro ou um porco?”. Sem contar que sempre ameaçam assar ela para a ceia de Natal! Kkkkk.

Sempre tive cachorro em casa e depois que minha pinscher Tuquinha de13 anos morreu não agüentei ficar sem cachorro.

Comecei a procurar por raças de médio porte e que fosse mais tranqüila. Depois de muito procurar fiquei entre o Bull terrier, Bulldog inglês e o Starforchaire. Por pura coincidência estava eu indo para o mercado e vi um homem andando com uma bulldog. Persegui o homem e conversei por muito tempo. Daí minha pesquisa se intensificou nesta raça. Depois de uns 3 meses pesquisando, decidi que seria esta raça.

Entrei em contato com um criador independente da “Bull Capital” e sondei por novas ninhadas.

A boa notícia veio durante uma viagem. Recebi um email dizendo  sobre o nascimento de uma ninhada. Daí começou a paixão…ele me mandava fotos dos pais e dos filhotes.

Esperei por 2 meses até poder levar de vez minha filha. A ansiedade foi tanta que engordei 3kg só na espera!!!

Hoje sou SUPER feliz por ter esta doidinha aqui em casa.

Elaine Oliveira
Brasília – DF

Jazz…

Boa Noite, meu nome é Danillo Vitorino e tudo começou quando perdi meu ”Sogro”, eu e minha esposa Camila, sentimos um buraco vazio em nossas vida, eis que surgiu a idéia de preencher esta lacuna com um animal de estimação, já que meu sogro gostava muito de bichos em geral…

Pesquisamos sobre a raça durante 2 a 3 meses e pronto, fomos ao parque conhecer algum bull de perto e no dia seguinte já estávamos em contato com o Canil…embora tivemos mais um percalço, nosso Bull nasceu com má formação nos rins e só ficou conosco 2 meses…Nosso Amado ”OLLIVER”, mas como vocês devem saber, uma vez fazendo parte da turma dos Bulldogues Inglêses, ”já era”…mais uns 3 meses e nasceu o ”JAZZ” nossa alegria….que inclusive fará 7 meses segunda-feira dia 17/09….
e foi assim que nasceu nossa paixão pelos ”balofos” como costumamos chama-los….
Ah…e antes que eu me esqueça….em homenagem ao nosso Olliver, estamos lançando em breve uma marca de Street Wear com o nome e inspiração no pequeno…Assim que tiver algumas camisetas prontas, faço questão de envia-las a vocês…
Abraço!

Conte a sua história!

Quer receber este lindo adesivo da Bullblog?

adesivos

 

Escreva um texto contando sua história com seu Bulldog Inglês, como foi o primeiro encontro com a raça e oque mais chamou a atenção em suas características e personalidade.

Mande email com foto para bullblog@bullblogingles.com.

Não esqueça do endereço completo!

 

“As primeiras 30 histórias vão receber em casa esse lindo adesivo da Bullblog.”

 

Bullbeijos – Equipe Bullblog Inglês

 

 

 

“Meu Bull destrói tudo”

Todo mundo que já teve, ou tem, um cão certamente tem histórias sobre um móvel ou um sapato roído.

destroi

Essa é uma queixa absolutamente comum e é preciso ficar atento pois pode ser indício de algum problema de saúde física ou psicológica.

Por que meu cachorro rói?
Existem muitos motivos para seu cão roer e, acredite, nos filhotes não difere muito dos bebês humanos que pegam e colocam tudo na boca. Afinal é uma fase de descobrir as coisas e, nos cães, é pela boca e pelo faro que esse aprendizado acontece. É importante você entender que este é um comportamento natural e o seu trabalho é mostrar o que pode e o que não pode com muita paciência durante o treinamento.

A gengiva pode estar coçando durante a troca da dentição, principalmente nos filhotes entre 3 e 6 meses de idade. Cuidado nesta fase! Geralmente é neste período que eles comem coisas que podem ser perigosas como fios, cabos e móveis que soltam pedaços ou farpas.
Falta de exercício físico ou mental gera tédio e ansiedade. Se ele não tem o que fazer “vai encontrar algo para fazer” em qualquer idade.
Acredite: existem casos de cães que roem e comem paredes, marcos de porta e até vasos de plantas. Você deve conversar com seu veterinário para excluir a possibilidade de verminoses, que também podem ocasionar o comportamento.

O que fazer para evitar que ele roa?
Ofereça brinquedos adequados e, ao brincar com ele e os objetos, elogie sempre quando ele estiver utilizando o brinquedo correto. Você pode utilizar bolinhas e ossos naturais defumados, por exemplo.

Importante! Não deixe muitos brinquedos a disposição! Faça um rodízio de brinquedos!

Os cães são extremamente curiosos e podem perder o interesse nos objetos. Para evitar isso, basta selecionar a cada brincadeira um diferente e manter eles bem guardados e fora do alcance. Isso ajuda a manter o interesse e expectativa para próxima brincadeira.

O que faço quando ele pegar algo que não pode?
Retire cuidadosamente o objeto dele sem fazer escândalo ou dar muita atenção ao fato. Você pode, sem querer, ensinar que se pegar tal coisa vai receber atenção em troca e não é isso que queremos. Depois, interaja positivamente oferecendo algo que ele possa brincar e roer.

Devo usar sprays repelentes em móveis e ambientes para evitar o comportamento?
Nem sempre é a melhor solução mas, se utilizado corretamente, pode ajudar sim. Essa técnica é muito mais usada em filhotes que em cachorros adultos.

Estas dicas são baseadas em termos gerais. Caso você não consiga impedir a destruição sozinho, nossa equipe especializada pode ajudar você a solucionar este e outros problemas.

Afinal, cada caso é um caso.

Fonte – adestramentodoscaes.com.br

9 de Setembro – Dia do Veterinário

10625020_578732605581876_5532681111678215624_n

 

Que o amor e carinho que você dedica aos animais lhe seja recompensado.

Parabéns pelo seu dia!

Bullbeijos

Equipe Bullblog

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 240 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: