“Um colinho para dormir.”

“Me chamo Priscila Halicki e sou mãe do  Zungo.”

01-Quando você se apaixonou pelo Bulldog Inglês?
Sempre fomos apaixonados pela raça e queríamos um cão que fosse ideal para apartamento! Conseguimos juntar o útil ao agradável! hehe

02-Quando decidiu que queria ter um, quais foram os métodos de pesquisa sobre a raça e criadores, internet, amigos, etc.
Procuramos saber sobre a raça através da internet, por sites de criadores, blogs e redes sociais.

03-Sem citar nomes, qual foi o método de escolha na hora de adquirir um filhote, atendimento do criador, padrao da raça, preço, indicaçoes de onde comprar, etc.
Através de pesquisas na internet, entramos em contato com um criador confiável e que, além de tudo, nos forneceria o pedigree.

Zungo

04-Com o filhote já em casa, quais foram suas maiores dificuldades quanto a raça e cuidados, mesmo que tenha adquirido o Bulldog já adulto.
Adquirimos o filhote com 3 meses! Não tivemos dificuldades, mas sempre tivemos cuidados diários com as dobrinhas, para evitar dermatites!

05-Voce teria vontade de ter outro Bulldog? E voltaria a comprar de onde adquiriu seu primeiro? Adotaria um Bulldog já adulto, castrado e com idade avançada?
Sem dúvida alguma!!! Com certeza voltaria a entrar em contato com o mesmo canil para adquirir outro Bulldog, mas também adotaríamos um já adulto, castrado e com idade avançada!

06-Quanto ao atendimento veterinário para o seu Bulldog, teve alguma dificuldade em encontrar um especialista na raça ou teve que ir em vários?
Em Rio Grande (RS), cidade em que moramos, não há veterinário especialista em bulldogs! Depois de duas tentativas, encontramos um veterinário de confiança, que apesar de não ser especialista, é muito competente e tem bastante conhecimento sobre a raça.

07-Seu Bulldog já teve algum problema sério de saúde? Passou por algum procedimento cirurgico e/ou esta em algum tratamento diario, como, otite, assaduras, dermatite.
Nosso Bull teve uma complicação no pós-operatório da castração e depois de muitos cuidados, hoje está bem! Ele também precisou operar um olho devido ao entrópio!

Zungo

Zungo

08-Cite 5 qualidas e 5 defeitos, quando eu digo defeito me refiro as manias, teimosias, e coisas que vocë não gosta na raça.
Qualidades: Carinhoso, companheiro, brincalhão, não late muito e dá para ser criado em lugares pequenos como apartamentos! Defeitos: é um pouco teimoso e exige cuidados com a saúde mais do que outras raças! Mas as qualidades superam os defeitos!

09-Se seu Bulldog pudesse dizer uma única frase, qual seria ela?
“Não saiam! Fiquem comigo!!!”

10- O que um Bulldog precisa para ser feliz?
Um colinho para dormir, carinho e uma família acolhedora que lhe dê atenção!!!

Zumgo

Zungo e familia.

13ª Nacional, conheça os vencedores da maior e mais importante exposição da Raça Bulldog no Brasi!

13680903_10154455793223534_6413698573111294934_n

Realizada no município de Hortolândia/SP, a 13ª Nacional Abrabull teve 4 (quatro) exposições especializadas da raça bulldog julgadas por juízes que também são criadores, sendo dois americanos, uma inglesa e um brasileiro. Confira os vencedores da 13ª Nacional Abrabull julgada pela Sra. Elizabeth Hugo Milan (EUA), uma das maiores autoridades sobre o padrão da raça no mundo.

BISS – Gongarbulls Pompidou (Prop.: Gilberto Medeiros – Canil Reserva do Rei)

BOSS – Newrocker Hilary (Prop. Alexandre Ferroni Newrocker Bulldogs)

img_8288 img_8330 img_8353-2 13659130_10208794723892946_5709344733810734638_n 13680903_10154455793223534_6413698573111294934_n 13925027_1087085008044391_8308925714655674614_n

 

Bulloween 2016 – Bulldogada Carioca

Doces ou Travessuras?

Dia 22/10/2016 das 15h às 18h no Park Clube do Totó!

14344366_1071151736304422_654217939855112671_n

Vamos animar, preparar as nossas fantasias e torce para chegar logo!

Programação:

15h00: Abertura da nossa festa.

16h00: Foto oficial do evento.

16h30: Nosso famoso desfile.

Categorias:

1) Gordinhos(as) até um ano!

2) Gordinhas a partir de um ano!

3) Gordinhos a partir de um ano!

4) Gordinhos(as) + Irmã(o) humano!

17h00: Premiação do desfile.

17h15: Sorteio dos brindes dos nossos queridos patrocinadores.

Estamos cobrando a quantia de R$ 10,00 (DEZ REAIS) por BULL para ajudar na organização do evento. O valor deve ser depositado na conta abaixo:

Banco Itaú

Agência: 6078

CONTA POUPANÇA: 29175-1/500

CPF: 133.941.617-45

Nome: Michelly Cavalcanti

Favor enviar o comprovante inbox com o nome do bull para controle.

A entrada no Park Clube Totó custará R$ 20,00 (VINTE REAIS) por cada cão (com 2 humanos) e R$ 10,00 (DEZ REAIS) para cada humano extra COM NOME NA LISTA.

Esse valor é cobrado pelo clube e deverá ser pago no momento da entrada.

Crianças até 10 anos não pagam.

OBSERVAÇÕES:

OBS 01: É obrigatório a apresentação da carteira de vacinação e do termo de responsabilidade preenchido na entrada do clube. Irei postar foto do termo de responsabilidade que deve ser impresso e preenchido a pedido do clube.

OBS 02: Teremos distribuição e sorteio de brindes. No momento da entrada, o pai/mãe do gordinho(a) sorteará em uma caixa uma cédula e retirará seu o doce ou travessura no momento em que a comissão chamar pelos números.

OBS 03: O pai/mãe de bull que for sozinho (sem o filho canino) e pagar o valor de R$ 10,00 (DEZ REAIS) poderá concorrer UMA vez no sorteio, mesmo que tenha mais de um filho canino.

OBS 04: Fantasia não é obrigatório, mas amamos ver a criatividade dos pais.

OBS 05: Levem água e cata caca para seus filhos. Aos que gostam de curtir uma piscina, não esqueçam a toalha.

OBS 06: É recomendável estar em dia com anti-pulgas, carrapatos e vermífugos.

OBS 07: Irmãos/primos de bulls de outras raças são sempre bem vindos.

OBS 08: Cães que gostam de arrumar brigas, devem permanecer na coleira.

OBS 09: Se o seu amiguinho fica muito agitado em lugares cheios e movimentados e/ou apresentar dificuldade respiratória, não leve. Respeite seus limites!

Esperamos todos vocês lá!

Qualquer dúvida, é só perguntar! ;)

LINK DO EVENTO: Clique aqui!

Doenças Cardíacas Acometem Cerca de 35% Os Cães Idosos

Campanha Setembro Vermelho visa conscientizar sobre a importância do diagnóstico e tratamento precoces.

O coração é a base do funcionamento do sistema circulatório de qualquer ser humano e deve sempre estar na lista dos check-ups periódicos. No caso dos animais de companhia não é diferente. O coração do cão tem uma estrutura semelhante à nossa e, assim como nos humanos, o diagnóstico e tratamento precoces das doenças cardíacas podem fazer diferença na saúde e qualidade de vida dos bichos. Para conscientizar o tutor sobre a importância do acompanhamento periódico do veterinário e do check-up anual para a detecção dos problemas cardíacos, a Elanco, em parceria com a Agência Estação Brasil, lança este mês a campanha “Setembro Vermelho: se tem coração”.

bulldog-69415_150

Os números mostram que o assunto merece atenção. As cardiopatias em cães são cada vez mais comuns, já que, assim como os humanos, eles estão vivendo mais. O problema se agrava porque o tutor não está acostumado a cuidar dos bichinhos idosos como cuida dos filhotes.  Cerca de 35% dos cães serão acometidos por alguma cardiopatia ao atingir a fase idosa. A partir dos 5 anos e desta idade até aproximadamente 13 anos cerca de 70% deles vão desenvolver ao longo da vida a chamada DVCM (Doença Valvar Crônica Mitral), a principal cardiopatia que acomete os cães, sendo os mais suscetíveis os machos de pequeno porte (com até 20 quilos). A doença pode aparecer já nos primeiros cinco anos de vida do cãozinho, sendo a prevalência, por faixa etária, de 10% em cães com cinco a oito anos, 25% com nove a 12 anos e 35% entre os acima de 13 anos.

Novidades do mundo pet.

O Brasil é o quarto país em população total de animais de estimação e o segundo em cães e gatos. Dados da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet) estimam que o país tenha mais de 37,1 milhões de cachorros e 21,3 milhões de gatinhos. Quando peixes e aves entram na conta, o cálculo chega a 106,2 milhões de mascotes.

A associação estima que o faturamento do mercado pet em 2014 chegue a R$ 16,63 bilhões, sendo 70% do segmento de alimentação. Em seguida, os serviços devem contribuir com 17% da receita. Atentos a esse potencial, empreendedores criativos lançam novos produtos e serviços e apostam na paixão que brasileiro tem pelos seus bichinhos. Veja algumas facilidades no mercado em Curitiba e região.

Foto: Eduarda Volpatto

Foto: Eduarda Volpatto

Sorria, bicho!

Joana Ferreira Alves e Calliandra Anderle são parceiras na Click Pets, empresa especializada em fotografia de animais. O negócio começou há dois anos, para registrar as peripécias dos próprios bichinhos. Hoje, elas atentem a particulares e empresas, para peças publicitárias de pets shops, fábricas de acessórios e alimentação.

A sessão dura pelo menos uma hora, mas a dupla fica o dia todo em contato com o bicho para estabelecer confiança e deixar o animal à vontade. São pelo menos três categorias de trabalho para particulares: o mini ensaio, com 10 fotos, por R$ 348; o ensaio pet, com 30 fotos , por R$ 750 e o ensaio da melhor idade, para bichos idosos, com 15 fotos e quadro de 20×40, por R$ 450. Mais informações no site www.fotografiadeanimais.com.br ou pelos fones (41) 9684 7388 e (41) 9986 6754.

Passeio de carro e a pé

Há um ano, Katiane Gil da Silva abriu o serviço de táxi para cachorro. O Táxi Dog é acionado mediante agendamento para transporte de cães e gatos para o veterinário, banho e tosa, exposições e viagens. Os bichinhos são levados em caixas apropriadas para o transporte. Em média, o preço da corrida custa R$ 2,50 por km rodado e é possível pagar no cartão. O marido de Katiane, Leandro, também é adestrador e presta serviço de dog walker. Por R$ 30 a diária, ele busca o bicho na casa do proprietário, ou na hospedagem, em caso de viagem do dono, para um passeio mínimo de meia hora. Informações pelos fones (41) 9673-6103 e 8827-0861.

Outras duas empresas prestam serviço semelhante na capital. A Taxi Dog Curitiba cobra R$ 3,20 por km rodado, e também realiza transporte do bichinho para outra cidades, em caso de mudança, por exemplo. Funciona 24 horas e fica na Rua Desembargador Clotário Portugal, 155. Informações pelo fone (41) 3599-8333.

O Petti Táxi trabalha com preços fechados, de acordo com o deslocamento. Entre o Água Verde e o Centro, por exemplo, o serviço de leva e trás para acompanhamento em consulta veterinária fica em R$ 80. A empresa fica na Rua Anne Frank, 4.441, no Hauer. Informações pelo fone (41) 3286-7406.

Blog-Sobre-Caes-e-Gatos-Tigrinho

Babá de cachorro

Ana Mari Coelho sempre gostou de cachorro e sentia necessidade de um serviço de companhia para a sua Cherry. Há dois anos, quando veio de Balneário Cambouriu para morar em Curitiba, decidiu apostar no cuidado com os cães como negócio. Ela presta serviços de pet sitter. Em média, cuida de dez animais por semana, entre gatos e cachorros. Os valores são negociados conforme a distância e quantidade de animais que ela vai cuidar. A partir de R$ 30, ela visita o bichinho na casa do proprietário por uma hora, onde providencia água, alimentação, ministra remédios e a limpeza do local e faz companhia. Informações pela fanpage www.facebook.com/AnaPetSitter ou pelo telefone (41) 9645-4442.

Até depois do fimO crematório Pet Céu está em atividade há quatro anos. Oferece dois tipos de cremação. Na individual, a empresa cumpre rituais semelhantes ao da cremação de humanos, com urna funerária, documentação do procedimento, sala de despedida e depositório de cinzas no local, como um cemitério vertical. Na modalidade coletiva, os animais são armazenados em câmara fria sob congelamento e a cinza é descartada, conforme legislação ambiental. Os contratos também podem ser feitos em planos preventivos, em que o cliente paga antecipadamente os pacotes, em até 10 vezes sem juros. A empresa assume a remoção do bichinho e trabalha em esquema de plantão. Os valores variam de R$ 450 a R$ 660, na modalidade individual e de R$ 175 a R$ 320, na coletiva, conforme o peso do animal. O Pet Céu fica na Rua Helena, 51, em Pinhais. Informações pelo fone 3668-5858 ou no plantão 9806-9494.

Quintal pra brincar

No início, a proposta da Acãodemia era para reabilitação de animais domésticos em tratamento veterinário. Hoje em dia, a empresa presta serviços de creche para animais, em que os bichinhos ficam em atividade ao ar livre, permanentemente, em uma área de 200 m². O foco agora são cães de pequeno porte, que vivem em apartamento. São mais de 40 bichos atendidos por dia. A diária custa R$ 25, mas há descontos progressivos, conforme a frequência e os serviços utilizados no local. A Acãodemia fica na Brasílio Itiberê, 4.057 e funciona de segunda a sexta, das 9 às 19 horas e aos sábados, das 9 às 17 horas. Informações pelo fone 3018-1841.

Cachorro no divã

Com especialização em comportamento de cães e gatos, a futura veterinária Daniele Graziani trabalha como terapeuta de cães. Desde criança ela estuda sobre comportamento e adestramento e hoje ajuda proprietários a mudar atitudes indesejadas, como agressividade ou medo excessivo. A terapia exige de quatro a oito sessões, de uma hora por semana. O dono recebe orientações que precisa aplicar na rotina com o bicho. O atendimento é feito em consultório, mas pode ser em domicílio. Uma sessão individual custa R$ 100, mais R$ 20 de taxa de deslocamento, se for necessário. O pacote com quatro sessões custa R$ 380. O consultório fica na Rua Vicente Machado, 2.805. Informações pelos fones 3014-9014 e 8872-0996 ou no site www.terapeutacanina.com.br

Caminha especial

A Metal Pet é especializada em materiais veterinários e criou cinco modelos de camas tubulares para bichinhos de estimação. As estruturas também são produzidas em cinco tamanhos diferentes, a partir de 50x50cm, até 1x1m. Como ficam suspensas do chão, ajudam a evitar a umidade em contato com o corpo do bicho. É feita em aço, com kit de estofamento, e custa entre R$ 200 e R$ 550 para o consumidor final. A empresa fornece para pet shops e não aceita encomendas de modelos fora de catalogo. A Metal Pet fica na Rua Lamenha Lins, 1350. Informações pelo fone (41) 3016-2576 ou no site www.metalpet.com.br

Tudo limpo e cheiroso

A Lav Zoo é especializada na higienização do enxoval dos pets. Caminhas, cobertores, bichos de pelúcia e toalhas, que também são locadas para os pet shops que fazem banho e tosa. A limpeza das caminhas custa a partir de R$ 25. Cobertores, a partir de R$ 12, pelúcias a partir de R$ 15. As toalhas custam R$ 2. É possível levar os produtos até a lavanderia ou entregar nos pets conveniados, que utilizam os serviços da Lav Zoo. A empresa fica na Rua Lindolfo Pessoa, 476, no Seminário. Funciona das 8h30 às 18h30 e aos sábados, das 8h30 às 13 horas. Informações pelo fone 3078-4688.

Fotógrafa aposta em ensaios entre donos e animais no Rio de Janeiro

Retratar o carinho entre eles e mostrar que a cumplicidade existe sim apenas no olhar. Esse é o objetivo da Good Dog, empresa carioca que busca registrar momentos especiais entre os donos e seus animais. Criado pela fotógrafa Mônica Spohn, o projeto tem como propósito eternizar cenas cotidianas das famílias com seus bichinhos de quatro patas pelo Rio de Janeiro. “Quero apresentar, por meio de imagens descontraídas e espontâneas, o quanto essa relação pode ser única e repleta de sentimentos”, diz.

1

Buscando sempre criar um clima intimista durante as sessões, Mônica conta que a ideia é deixar todos os envolvidos bem à vontade. “Não adianta levar o bichinho ao calçadão da praia, por exemplo, se ele tem medo de água. Ou combinar uma volta na Lagoa Rodrigo de Freitas se ele não se sente bem na presença de crianças. Tenho meus lugares preferidos na cidade, claro, mas a escolha final tem que ser sempre dos donos”, fala ela, destacando o Aterro do Flamengo, a Pedra Bonita e o Arpoador. “Mas, tem também aqueles animais mais caseiros que preferem me receber em casa”, brinca.

2

Bulldog Inglês José Bartolomeu

Com duração de uma a duas horas, a fotógrafa conta que as sessões variam muito de acordo com cada animal. “Afinal, eles são imprevisíveis e, assim como os humanos, têm dias que não estão muito a fim de socializar. Por isso, tanto eu quanto os donos precisamos seguir o ritmo deles. Já vivi situações engraçadas, como um trio de cachorros que resolveu correr, cada uma para um canto do parque, quando foram soltos da coleira. Foi um Deus nos acuda até conseguir reunir todo mundo de novo!”, conta, rindo. O ensaio completo da Good Dog Fotografia Pet, com mais de 50 fotos digitais, custa R$ 400 na zona sul do Rio de Janeiro. Para outros locais, é cobrada uma taxa de deslocamento.

3

Mesmo a paixão por fotografia ter sido decisiva na escolha pela profissão, a gaúcha radicalizada no Rio de Janeiro não esconde que a chegada de um integrante na família, há dois anos, a fez seguir por esse nicho do mercado. “Só passei a entender essa ligação depois que meu boxer Nazgul apareceu na minha vida. Nunca mais me senti sozinha. Eu, que nunca tinha tido animal de estimação, mal sabia a cilada que estava me metendo”, conta Mônica, orgulhosa do filho de quatro patas.

Confirma o trabalho da Good Dog Fotografia

Que frio é esse que chegou hein?

Fazia tempo que não não tínhamos um inverno geladinho assim aqui no Brasil.  Claro que com esse frio todo mundo se cobre com os melhores casacos, jaquetas, pulôveres e tudo o que encontrar de quentinho no armário. Mas e o seu bull? Ele tem uma roupinha bonita e quentinha para passear ou para ficar em casa relaxando no sofá (tenho certeza que o seu bull também adora o sofá)? A Bulltropolis foi a primeira loja do Brasil a trazer roupas e produtos sob medida para os bulls de plantão. Criamos as nossas roupinhas em uma confecção própria tomando cuidado com as medidas para que sirva com todo conforto no seu bull.
02azul 04
Além de variados produtos, coleiras e acessórios que só a Bulltropolis vende, as nossas roupinhas são de altíssima qualidade, macias e maleáveis para que tanto os bulldogs franceses quanto os ingleses tenham uma opção de escolher um novo figurino baseado nas suas medidas únicas. Temos 3 tamanhos e em breve teremos um quarto tamanho. São eles P (para filhotes de ambas as raças, deve apenas tomar atenção nas medidas), M (ideal para bulldog francês e Pug adultos de estatura média e padrão) e G (ideal para bulldog inglês adulto e pode servir também em bull terrier e outras raças) e em breve teremos um GG (ideal para aqueles mais fortinhos e que passaram 2 vezes na fila do fermento).
A Bulltropolis trouxe um best seller que é o blusão com capuz em diversas cores, a linha em lã com pulôveres e suéteres com lã de alta qualidade e os pijamas em material leve e macio, ideal para aquele soninho tranquilo e quentinho. Já estamos também preparando uma surpresa em breve com mais um modelo para os passeios, fique ligado.
DSC05852
Agora que você sabe onde encontrar roupas de qualidade para o seu Bull, venha nos visitar e fazer o seu pedido. Todas as roupas são pronta entrega e o prazo de chegada ao você depende apenas da velocidade dos correios.
Acesse www.bulltropolis.com e faça seu pedido já!

Saiba como proteger seu melhor amigo no inverno.

O inverno começa oficialmente no dia 21 de junho, mas o frio já chegou derrubando as temperaturas até nas regiões mais quentes do país. Nessa época, devemos redobrar os cuidados com nossos cães. Raças mais magras ou de pelo curto como Doberman e Pinscher não são preparadas para suportar temperaturas muito baixas e costumam sentir bastante incômodo durante o inverno.

article-2264444-170606C8000005DC-177_964x637

No tempo frio, os bichinhos idosos podem sofrer o agravamento de problemas como artrose e artrite, sentindo dores e desconfortos. Além disso, cachorros que possuem doenças hormonais e cardíacas tem sua capacidade de regulação da temperatura corporal comprometida.

Algumas medidas simples podem minimizar os efeitos do frio deixando os seus pets saudáveis e confortáveis:

Dicas para cuidar do seu cão no frio

● Deixe seu bichinho sempre bem abrigado e em local aquecido.

● Mantenha a caminha ou casinha afastada do chão para evitar a friagem. Uma boa opção são as camas suspensas feitas em nylon, que além de proteger seu pet da friagem, evita a formação de calos e dores nas articulações

● Se o chão for de azulejo ou cimento, cubra os locais preferidos do seu cão com toalhas ou tapetes

● Na hora do passeio, vista nele uma roupinha. Opte pelas de fleece que, além de não causarem alergias, aquecem bem

● Fique atento ao tempo de exposição do seu cão ao frio. Se você estiver sentindo frio, ele provavelmente também estará

● Evite tosas nessa temporada

Banho seco é a solução

Se alguns cães não apreciam o banho nem durante o verão, imagine no inverno! Dar banho em casa nem sempre é fácil, mas nem todo mundo consegue arcar com os custos de banhos semanais em Pet Shops. A solução para fazer a higiene dos cães sem molhá-los por completo é o banho seco. No mercado há uma série de produtos que, além de eliminarem o odor e sujeira, desembaraçam os pêlos do seu mascote. As soluções para banho seco são encontradas facilmente em pet shops e lojas de animais.

Se o banho seco não resolver, recorra à água aquecida e capriche na secagem. Use uma toalha ou manta de lã para retirar o excesso de água e depois utilize o secador para secar seu pet por completo. Regule o aparelho de forma a não deixar o ar muito quente, pois a pele dos bichinhos é bastante sensível.

Post patrocinado Bitcão

“Te amo”

“Me chamo Laura David e sou mãe do Chico.”

1- Quando vc se apaixonou pelo Bulldog Inglês?

Eu sempre gostei dessa raça desde quando assistia Tom e Jerry e via o famoso bull, Spike! Me apaixonei mesmo quando meu irmão foi olhar a ninhada do Chico (nosso buldogue) e me enviou as fotos! Meu coração derreteu.

unnamed
2- Quando decidiu que queria ter um, quais foram os métodos de pesquisa sobre a raça e criadores, internet, amigos, etc…

Nunca foi planejado a compra de um, mas eu decidi que queria quando meu irmão me mandou as fotos do Chico e dos irmãozinhos! Amo cachorros e fiquei totalmente apaixonada! Na hora eu já quis.

3-Sem citar nomes, qual foi o método de escolha na hora de adquirir um filhote, atendimento do criador, padrão da raça, preço, indicações de onde comprar, etc…

Escolhemos nosso buldogue pela afinidade que os filhotes demonstraram conosco! O Chico foi o primeiro que veio até nós e fez várias gracinhas. O criador é um amigo da nossa prima, foi extremamente atencioso, cuidadoso com os filhotes e o mais importante, com os pais.

4- Com o filhote já em casa, quais foram suas maiores dificuldades quanto a raça e cuidados, mesmo que tenha adquirido o Buldogue já adulto.

O buldogue é muito teimoso (nenhuma novidade), e o mais difícil de controlar, desde filhote até hoje, eh o lugar de fazer xixi. Quando não estávamos e estamos perto, ele faz em qualquer lugar, principalmente no sofá e nas almofadas (lugares preferidos).

5- Você teria vontade de ter outro Bulldog? E voltaria a comprar de onde adquiriu seu primeiro?
Adotaria um bulldog já adulto, castrado e com idade avançada?

Tenho muita vontade de ter outro bull em minha vida! São muito companheiros, amáveis e fofos! Voltaria sim a comprar do mesmo criador e com toda certeza adotaria um, idoso, doente, ou de qualquer jeito. Sou fascinada em cachorros e tenho alguns adotados sob minha responsabilidade.

6- Quanto ao atendimento veterinário para o seu bulldog, teve alguma dificuldade em encontrar um especialista na raça ou teve que ir em vários?

 O Veterinario do meu bull não é especialista na raça, moro em uma cidade relativamente pequena, porém, sou muito bem amparada quando necessito, recebemos toda atenção e nunca tivemos um problema com relação a isso.

7- Seu bulldog já teve algum problema sério de saúde? Passou por algum procedimento cirúrgico e/ou está em algum tratamento diário, como, otite assaduras, dermatites.

O Chico é muito saudável, porém já teve dermatite 2 vezes e é bastante alérgico a produtos de higiene na hora de tomar banho.

8- Cite 5 qualidades e 5 defeitos, quando eu digo defeito me refiro a manias, teimosias, e coisas que vc não gosta na raça. 

Poderia citar milhares de qualidades do meu filho, mas citarei cinco: é carinhoso, fiel, atencioso, inteligentíssimo e protetor. Porém é muito teimoso, muitas vezes não nos respeita, é bagunceiro, acha que é um Chihuahua, come tudo que vê pela frente e está sempre soltando gases ou arrotando (meu porquinho preferido <3)

9- Se seu bulldog pudesse dizer uma única frase, qual seria ela?

A frase que meu bulldog falaria com certeza seria: Te amo
10- O que um bulldog precisa para ser feliz?

 Ele precisa pra ser feliz: atenção, carinho, e um lugar pra dormir

“Eu amo banana!”

“Me chamo Patrícia Tomás e sou mãe do Bartolomeu.”

1- Quando vc se apaixonou pelo Bulldog Inglês?
Eu me apaixonei na época do Tom e Jerry e cada vez que assistia a um filme ou vis a raça na TV eu morria de amores.

2- Quando decidiu que queria ter um, quais foram os métodos de pesquisa sobre a raça e criadores, internet, amigos, etc…
Por volta de 2004 comecei a ter acesso direto à internet e no Orkut fazia amizades com perfil de bull só para ficar namorando as fotos mas nunca pensei em comprar porque era muito caro. Mas em dezembro de 2005 Eu perdi minha cachorra de estimação e fiquei muito mal. Aí  meu marido resolveu me dar um bull, para ver se eu melhorava da tristeza de ter perdido minha companheira.

20160423_195845-1

3-Sem citar nomes, qual foi o método de escolha na hora de adquirir um filhote, atendimento do criador, padrão da raça, preço, indicações de onde comprar, etc…
Na época foi o preço. Eu não conhecia nada da raça, eu só lia que era um cão tranquilo e bonachão. Eu paguei a metade do preço de uma pessoa que tinha o casal mas não era canil.

4- Com o filhote já em casa, quais foram suas maiores dificuldades quanto a raça e cuidados, mesmo que tenha adquirido o Buldogue já adulto.
Eu vi que ele não era nada do que eu imaginava.
Era super elétrico, bruto, destruidor. E que não tolerava muitas atividades físicas e calor. Tive que me  adaptar a raça pois eles são diferentes dos outros cães em matéria de cuidados. Aprendi na marra a lidar com a raça mas consegui. Hoje tiro de letra…

5- Você teria vontade de ter outro Bulldog? E voltaria a comprar de onde adquiriu seu primeiro?
Adotaria um bulldog já adulto, castrado e com idade avançada?
Sim, tenho vontade de ter outro, uma fêmea. Voltaria a comprar da mesma pessoa sim, mas não sei onde moram e nem se ainda possuem bulls, na época em que eu comprei o meu eles disseram que não teriam mais filhotes, só aquela ninhada mesmo.
Isso foi em 2006. Adotaria um bull sim, velho ou novo e castrado seria até melhor mas não hoje, o meu bull já é idoso, vai fazer 11 anos e ne dá muitas despesas e trabalho. Tenho outros cães além dele então financeiramente fica complicado.

6- Quanto ao atendimento veterinário para o seu bulldog, teve alguma dificuldade em encontrar um especialista na raça ou teve que ir em vários?
Meu veterinário não é  especialista em bull. Sempre levei mais cães nele e levo meu bull tb. Não vi necessidade em procurar um especialista na raça ja que meu vet sempre acertou os diagnósticos.

7- Seu bulldog já teve algum problema sério de saúde? Passou por algum procedimento cirúrgico e/ou está em algum tratamento diário, como, otite assaduras, dermatites.
Meu bull já teve doença do carrapato, convulsões( sempre que ficava muito ansioso com alguém estranho ou com alguma coisa fora da rotina dele, ele teve umas 4 vezes. Quando percebi as causas comecei a ter uma super proteção com ele, não deixo ele chegar perto de estranhos e nem mexo na rotina dele). Já teve hemorroida( juro que não sabia que cães tinham isso), e gosta muito de lamber as patas o que dá pequenas dermatites mas que eu curo numa Boa. E teve gengivite.

8- Cite 5 qualidades e 5 defeitos, quando eu digo defeito me refiro a manias, teimosias, e coisas que vc não gosta na raça. 
Vou falar baseada no meu bull. É amigo, me deixa fazer o que eu quero com ele, é muito resistente a dor,  é bonachão e fiel.
Defeitos:  Destruidor (quando filhote), come muito rápido, teimosia,  muito estressado com ambientes diferentes, a intolerância ao calor é o pior defeito.

9- Se seu bulldog pudesse dizer uma única frase, qual seria ela?
Eu amo banana!

10- O que um bulldog precisa para ser feliz?
De um dono que o ame, respeite Deus limites e saiba lidar com a raça. Nos dias de hoje vejo muitos bulls morrendo por falta de conhecimento de Deus donos em saber como lidar com a raça…