Bulldog comendo muito rápido? Como fazer ele comer mais devagar.

Alguns cães comem rápido demais, porém normalmente isso não significa fome, mas sim um comportamento obsessivo em torno da comida. Uma questão psicológica que o faz comer rápido demais, seja por instinto (para que um “concorrente” não pegue a comida dele) ou por ansiedade.

Comer muito rápido pode gerar vários problemas na saúde do cachorro, como:
– gases
– vômitos logo após comer
– má digestão

Felizmente, é possível contornar esse problema com várias técnicas e em geral é uma questão muito fácil de resolver. Seria interessante você olhar o artigo: Como dar comida pro seu cachorro.
cachorro-comendo-muito-rapido-142x127
1. Evite ambientes conturbados

O que um cachorro precisa para ser feliz?

Muita gente pensa que para um cachorro ser feliz basta dar água, comida e um pouco de carinho. No entanto é um pouco mais do que isto!

1240162_518636494888566_1014691283_n

Casa, comida e roupa lavada? Definitivamente não. Isso só funciona na televisão e nos filmes. Ah, e para humanos, não animais. Se não fosse exagero, até diria que para eles é o contrário. Bem, nem tanto ao céu, nem à terra. O que eu quis dizer é que já vi muito “cachorro de madame” com uma casa maravilhosa, ração de qualidade, espaço e tudo o mais que, teoricamente, o cão precisaria para se contentar, e este cão parecer muito insatisfeito, é considerado apenas mais um enfeite de luxo na casa. Ao passo que dificilmente vemos um cachorro de um catador de papéis, ou mesmo morador de rua, triste. Eles andam sempre com seus donos, perambulando e com a cauda alta e feliz.

Ao perceber isso meu pensamento se transformou numa sucessão de perguntas, mas considerei a mais importante “o que NÓS precisamos para ser feliz?” Cada um de nós é um ser diferente, com necessidades diferentes. Algo que me deixa muito feliz pode ser totalmente indiferente para outra pessoa. Com os cães é quase a mesma coisa, mas sem dúvida, a única coisa que é igual em termos de felicidade para um cão é ter companhia. Ou seja, alguns gostam mais de petiscos, outros de brinquedos, outros de palmas, mas o que todos gostam com certeza é companhia. Claro que isso só não basta.

Resolvi colocar palavras importantes para o cão, para tentarmos colocar essas palavras na prática e não apenas na teoria. São necessidades, na sua maioria DIÁRIAS, do seu peludo.

Vem ai a XII Nacional Abrabull 2015!

Esta chegando o grande dia!

Para mais informações – www.abrabull.com.br

Hotel Del Verde – fone para reservas 11 4667-4666

10646623_761592503910794_4000730412509505397_n

E o Bulldog mordeu…

O Bullblog tem recebido uma série de postagens de proprietários em dificuldades comportamentais com seus amados Bulldogs. Na grande maioria delas, o problema diz especificamente com agressividade voltada contra o dono, inclusive de filhotes.

Assim, resolvi falar um pouco sobre o assunto em razão da sua importância e do pouco material existente, leia-se Bulldog e agressividade.

Inicialmente é necessário falar sobre a origem da raça e a função para a qual ela foi selecionada. Descendente dos antigos molossos, o Bulldog tem a sua gênese calcada em batalhas e lutas corporais. Eis a sua função primeira, lutar e defender!

Em outras palavras, o Bulldog era uma máquina de guerra, com itens, como cabeça, corpo, mordedura, tronco, pele, temperamento e resistência à dor, cuidadosamente selecionados durante centenas de anos para que fosse, primeiramente, um soldado e, posteriormente, como a raça acabou sendo consagrada, um gladiador nos esportes de época – em especial as lutas contra touros, ursos e até mesmo em rinhas de cães.

Muito embora a figura do Bulldog atual apresente um distanciamento físico do seu antepassado de arena, muitos dos traços primitivos estão fortemente presentes na versão moderna da raça e formam a sua essência, ou seja, são características pela quais a raça é identificada. É o caso da cabeça braquicefálica, da mandíbula prognata, do topline (linha de dorso com posterior mais alto) e do formato do corpo (mais pesado e forte na frente em comparação com o posterior).

Criadores Respeitáveis x Criadores Comerciais…

Foto Meljane Bulldogs

Foto Meljane Bulldogs

Criadores de Comerciais (“Fábrica de Cachorros”) x Criadores responsáveis

1. Motivo para criar: diversão, bom para as crianças, para ganhar dinheiro. Não filtra compradores e raramente recusa a uma venda, mesmo se o comprador for inadequado.

1. Dedicação para produzir cães de qualidade é uma vocação seria. Tem muito dinheiro investido em cães de tal modo que se esforça para ficar no zero a zero, não tem lucro. Vende filhotes somente para compradores aprovados.

2. Cruza o cãozinho de estimação da família com qualquer outro cão da mesma raça, somente para ter filhotes puros. Não tem nenhum entendimento ou preocupação com genética, pedigree, linhas de sangue ou melhoria da raça.

2. Pode explicar como planejar cruzamentos, podendo usar para enfatizar ou minimizar características especificas com linebreeding (cães com certo parentesco), outcrossing (cães sem parentesco), ou muito raramente, inbreding (cruzar exemplares com pais, filhos ou tios).

Como saber se o cachorro está com febre.

Muitas pessoas se enganam quando vão medir a temperatura de um cão. A temperatura normal de um cachorro saudável varia de 38,5 a 39,5 graus, diferente dos seres humanos. Por isso as pessoas que não sabem disso se assustam quando vão medir a temperatura e acham que o cachorro está com febre sem que ele realmente esteja.

1982103_477940915661046_633264706_n

Se a temperatura do seu cão está acima dos 40 graus, recomendamos que leve-o imediatamente ao veterinário, pois isso é sinal de que alguma coisa não vai bem em seu organismo. Ele pode estar com uma infeccção ou alguma falha no sistema imunológico.

Sintomas da febre

O cão apresenta alguns sinais de que está com febre, como: focinho quente e seco, olhos lacrimejantes ou embaçados, apatia, falta de apetite e nervosismo. Quando a febre é muito alta, o cachorro, assim como as pessoas, pode sofrer tremores.

Como medir a temperatura do cachorro com um termômetro normal

Você vai precisar de um termômetro. Não precisa ser um termômetro específico para cães (embora sejam vendidos, são iguais aos nossos). Compre um termômetro comum para seres humanos e deixe-o reservado para o uso no seu cão.

1. Sacuda o termômetro até o nível do mercúrio ou a temperatura estiverem marcando pelo menos 35 graus.

2. Lubrifique o termômetro com Vaselina ou algum gel lubrificante.

3. Se seu cão for agitado, peça pra alguém segurá-lo pra você. O ideal é que ele esteja deitado para que não haja o risco dele sentar no termômetro.

como medir a temperatura do cachorro3. Introduza 1/3 do termômetro no ânus do seu cão.

4. Deixe por 1 a 2 minutos.

5. Cheque a temperatura no termômetro.

6. Não esqueça de limpar o termômetro após o uso.

Termômetros especiais

Existem termômetros especiais que ajudam a medir a temperatura através da orelha do cachorro. É uma forma mais prática – porém mais cara – de saber se seu cachorro está com febre.

Como baixar a temperatura em casa

O ideal é que você leve-o ao veterinário se confirmar que a temperatura do seu cão está acima dos 40 graus. Caso queira tentar diminuir a temperatura, veja o que você pode fazer:

– faça seu cachorro beber bastante água. Se ele não aceitar água normal, tente água de coco natural.

– se ele estiver com tremores, cubra-o com uma manta leve, fique ao seu lado o máximo possível para ele se sentir reconfortado.

– um banho quebrado (morno quase frio) pode ajudar a diminuir a temperatura do corpo.

Sempre acho melhor consultar um médico do que ficar tentando coisas caseiras. Nunca sabemos o que pode estar acontecendo no corpo do nosso cachorro…

Leia mais: tudosobrecachorros.com.br

19ª Copa Paulista, mais um SHOW da Abrabull!!!

Num evento que reuniu amantes e criadores da nossa querida raça Bulldog, em clima de muita alegria e confraternização, a Abrabull, com o patrocínio da Premier e apoio do KCSP, promoveu a 19ª Copa Paulista, mais uma grande exposição especializada, desta vez sob o julgamento do criador Steven Davison (Canil Brampton-UK). Em clima de pré Nacional, que será realizada em junho no mesmo local (Itapecerica da Serra-SP), tivemos 36 bulldogs em pista com elevada qualidade, tornando disputadas todas as classes. O BIS foi conquistado pela fêmea jovem Cherokee Legend Ursula (proprietários Gláucia Franco e Wesley Cavalcante – Canil Heralds Of The King) e o BOS foi dado ao Macho, também Jovem, Reserva do Rei The Dot Racer (proprietários Raquel Didonet e Gilberto Medeiros – Canil Reserva do Rei). Nos vemos em BREVE, até a 12ª Nacional Abrabull!

Cherokee Legend Ursula - BIS

Reserva do Rei The Dot Racer - BOS

_MG_7817

_MG_7825

_MG_7822DSC_1181DSCN0635_MG_8125_MG_8012

“Xixi” e “Cocô”

10443990_1402315970073277_3910782553376612680_n
Ensinar o cachorro a fazer xixi e cocô no lugar certo é uma das preocupações mais freqüentes dos donos de cães. Entretanto, o que muita gente não sabe é que existem diversos motivos para o cão não fazer as necessidades no local adequado. E, mais importante ainda, a maneira correta de treinar o peludo depende do quê está causando o problema.

Antes de mais nada é preciso entender que, para ter sucesso no treinamento de cães, é essencial saber como funciona a mente deles. O aprendizado dos cães é baseado em associações, feitas por meio de tentativas, erros e acertos. Uma associação que gera um resultado positivo e prazeroso para o cachorro fica fixada de forma intensa na memória, e tende a ser repetida até se tornar um hábito. Por exemplo, se ele ganhar um petisco todas as vezes que fizer xixi no lugar certo, vai tentar acertar cada vez mais. De forma contrária, uma associação que gera um resultado negativo para o cachorro tende a ser abandonada e esquecida. É por isso que o treinamento com recompensa (petisco, “muito bem”, brinquedo ou carinho) é muito mais produtivo do que o treinamento com punição.

É importante frisar que a associação só acontece como desejado se a causa e o efeito distarem entre si de no máximo poucos segundos. Ou seja, só adianta recompensar ou reclamar com o cão durante ou logo imediatamente após o ato. Se passar mais tempo, o cachorro fará a associação (positiva ou negativa) com o próximo evento qualquer que vier a seguir. Em outras palavras, não adianta nada, absolutamente nada o dono brigar com o cachorro quando chega em casa e encontra um xixi no lugar errado. O cachorro vai associar a bronca com a chegada do dono e não com o xixi no tapete.

13 Coisas que Aprendi sendo Mãe de Bulldog – Por Fernanda Lyra

Escrito por Fernanda Cecília

Chico - Priscila Fantin

Chico – Priscila Fantin

Amo ser mãe do Babaganoush, o melhor filho do mundo! Amo sentir meu amor de mãe crescer, evoluir e se multiplicar. E amo aprender com meu filho… e eu já aprendi muita coisa. Antes de fazer parte da Bulldogada Carioca (grupo de pais e mães de bulldogs) eu achava que várias das manias do Baba eram próprias dele. Contudo, após o convívio com outros buldogues, aprendi que muitas idiossincrasias dele são, na verdade, próprias da raça bulldog inglês. Queria dividir algumas delas com vocês.

  1. Eles praticam “Doga” (Yoga + Dog)

Se você acaba de receber seu filho adotivo na sua casa, se prepare. Já já ele irá praticar “downward facing dog,” estilo buldogue inglês. Patas fronteiras esparramadas no chão e patas traseiras esticadas, derrière nas alturas. Às vezes eles começam a se espreguiçar, com a intenção de deitar no chão e param na metade do processo, fecham os olhinhos e dormem naquela posição mesmo.

Comprovado: cachorros ajudam na paquera!

É mais fácil conseguir ajuda, conversar com outras pessoas e até obter telefone quando estamos acompanhados por um cão, conforme demonstrou um estudo publicado em Dezembro de 2008 na renomada revista científica Anthrozoos.

200618_109765382437155_6992656_n

Para testar a hipótese de que os cães funcionam como facilitadores sociais, foram feitos quatro experimentos, todos eles com e sem cão. No primeiro, um homem pediu dinheiro na rua. No segundo, uma mulher fez a mesma coisa. No terceiro, um homem deixou cair propositadamente moedas no chão para ver se as pessoas o ajudavam a recolhê-las. No quarto, um teste idêntico foi feito por uma mulher. Por último, um homem pediu o telefone de mulheres jovens na rua. Em todos os experimentos, constatou-se que os cães ajudaram as pessoas a atingirem seus objetivos.